sexta-feira, julho 31, 2009

Da matilha

Descobri hoje que tenho um seguidor chamado cavalo. Também há algumas éguas, meia dúzia de burros, uma mula e uns puros sangue. Acho divertidíssima e bastante infantil essa coisa dos seguidores online.

Neste blogue por exemplo, costumam passar - um chalado da polónia, uma emigrante gorda do Canadá, um poeta escondido, três cegos, um falangista espanhol, um seringador, um tal senhor esteves, um padre, um menino de odivelas, um homossexual no armário, um homossexual assumido, um devoto da Opus Dei, uma juíza, um belíssimo escritor, dois neonazis, um bloquísta impenitente e brasileiras pietistas, dessas que tanto podem estar numa reunião da IURD como numa missa em Latim.

Estes são os meus admiradores recorrentes, os que identifico e escrevem comentários. Alguns a pedirem para ser apagados a seguir, porque falam de coisas pessoais. Por exemplo um dos meus amigos cegos pediu-me hoje para acabar com a correçcão das caixas de comentários porque dificulta a leitura bloguística dos invisuais. Ignorava tal pormenor técnico, estamos sempre a aprender.Quando olho de soslaio para esta matilha imagino-os a beber uns copos até caír ao som de música celta. Provavelmente comiam-se uns aos outros antes disso. Mas diverte-me imesno que um blogue tão pequenino acolha uma matilha tão eclética e tão animalmente diferente.

Acesso ao ensino superior

EStivemos a escolher as seis opções de candidatura. Cursos superiores a sério, onde não há atrasados mentais com boas notas e onde a nota de entrada ultrapassa a mediania .

Ai criatura, que tanta reza faz-te mal

Contos exemplares

O camilo andava triste como um cão sarnento. Folheava páginas e páginas na net sem encontrar um esboço de compaixão. Horas e horas online em sites pornográficos estavam a deixá-lo sentimental. Flácido de esperas, desabafou com o felismino.
Experimenta ira à missa, sussurou-lhe o amigo, nada neófito nestas matérias. Com tantas beatas precisadas de viril conforto, safas-te bem. Quanto mais compungidas e lacrimejantes, melhor. E Missinhas longas, dessas que dão tempo para suspiros e genuflexões prolongadas. E lembra-te do aviso do padre mário - ó homem foge das viúvas, são pior que a peste.

Juan carlos Isto, sim é um rei

De visita privada à Madeira, Juan Carlos foi ao Parlamento, ainda em funções, que recusou que fosse feito um voto de pesar pelo assassinato do Rei D. Carlos, tio-avô do monarca espanhol.
Grande homem.

quinta-feira, julho 30, 2009

pôr a escrita em dia

Estou de férias, férias , férias. Posso dar azo ao meu único vício - escrever e escrever. Aqui ou em moleskines de todas as cores que tenho espalhados pelas casas, pelos carros, por todo o lado onde vou. Moleskines e canetas.

Contos exemplares - a puérpera benevolente

Na sala de audiências, o calor apodera-se dos espíritos tanto como dos corpos. O ar condicionado engasga-se e agoniza num estertor fininho, expelindo uma frescura pífia que rapidamente se dissolve na atmosfera pesada. Um fio de suor escorre pela testa do advogado oficioso e é represado pelos óculos, encavalitados no nariz adunco. O arguido, pequeno e franzino, guarda os seus vinte e sete anos num corpo de não mais de quinze.
Traz uma camisola preta e justa, que se lhe cola às costelas e, na parte descoberta do pescoço, adivinha-se-lhe um fio de uma malha grossa que parece de prata. Desfila as misérias com um ar compungido, como se o simples facto de existir fosse culpa do destino. Ensaia um ar choroso, e os olhos raiados de sangue, pelo álcool e a estroinice, ficam de repente aguados. A rigidez dos maxilares estreitos trai uma determinação que teima em esconder e que substitui por tremuras de bicho assustado, daqueles de meter no bolso e levar para casa. "

Férias castas

Contos exemplares

Naquela tarde sebastião arregaçou as mangas e decidiu a coisa à boa maneira beirã: umas boas bordoadas nos cornos de uma fulana que lhe andava a insultar a mulher.
Nada de muito grave, umas belas bordoadas de soslaio enquanto a pobrezinha gritava "ai ordinária", "ai reles", "ai valha-me nossa senhora" e se agarrava ao escapulápio que tinha comprado numa feira.
Parece muito mal um homem bater numa senhora, sebastião, gritava-lhe um vizinho. Que queres, respingava sebastião, ando farto de falsas putas.
Acabaram todos na esquadra e a juíza, mais branda que o costume, não esteve com grande paciência. Afinal umas valentes bordoadas às vezes são melhor que qualquer processo.

Pouca assistência mas muita emoção


È assim nas missas wikka.

Rad Trads on line





Histórias exemplares - A juíza grávida

A meretíssima é uma mulher desagradável e até um bocadinho feia. Os lábios, inchados pela gravidez de quase nove meses, sustentam um buço incipiente e retorcem-se num estranho tique, a cada resposta que lhe desagrada. Afasta, com uma impaciência agreste, a cabeleira escura da cara, onde uma pigmentação castanha lhe esbate as feições imperfeitas. Apesar do tempo ameno, mostra-se encalorada e sopra para o interior do decote aberto, enquanto empurra a beca para trás como se renegasse a função. O arguido desfia o seu rosário de contas mal-paradas mas ela nem o ouve, está farta. Funga ruidosamente e respira como quem se afoga, ao mesmo tempo que se imagina no quarto do filho, com as suas cortinas em voile compradas na la redoute e os frisos azuis ao longo da parede branca, em cima do tapete de ursos e comboios que só ela pisa descalça, a dobrar os pijamas de algodão com cheiro a sabão novo e a ensaiar canções de embalar, as fraldas amorosamente empilhadas na gaveta do vestidor. Está tão pronta para o receber, que está prestes a deixar de o estar. No pulso, um relógio grande, de homem velho, com uma correia de pele preta e grossa, contrasta com as suas saliências feminis, exacerbadas pelo fulgor da maternidade próxima, e marca ao segundo a sua repulsa em estar ali, a ouvir os filhos dos outros e impedida de escutar o seu. Os arguidos, que vão entrando na sala, respiram fundo e sorriem, ao verem uma mulher como juiz, ainda por cima grávida, confiantes no tradicional dom feminino da bondade e do perdão. Mas cedo se apercebem, ao segundo ou terceiro resfolegar, ao terceiro ou quarto sopro, ao quinto ou sexto tique dos lábios entumecidos, de que antes um homem, por deus, antes um homem.
Daqui.

Die erste Elegie
"Wer, wenn ich schriee, hörte mich denn aus der Engel Ordnungen? und gesetzt selbst, es nähme einer mich plötzlich ans Herz: ich verginge von seinem stärkeren Dasein. Denn das Schöne ist nichts als des Schrecklichen Anfang, den wir noch grade ertragen, und wir bewundern es so, weil es gelassen verschmäht, uns zu zerstören. Ein jeder Engel ist schrecklich. Und so verhalt ich mich denn und verschlucke den Lockruf dunkelen Schluchzens. Ach, wen vermögen wir denn zu brauchen? Engel nicht, Menschen nicht, und die findigen Tiere merken es schon, dass wir nicht sehr verlässlich zu Haus sind in der gedeuteten Welt. Es bleibt uns vielleicht irgend ein Baum an dem Abhang, dass wir ihn täglich wiedersähen; es bleibt uns die Straße von gestern und das verzogene Treusein einer Gewohnheit, der es bei uns gefiel, und so blieb sie und ging nicht. O und die Nacht, die Nacht, wenn der Wind voller Weltraum uns am Angesicht zehrt -, wem bliebe sie nicht, die ersehnte, sanft enttäuschende, welche dem einzelnen Herzen mühsam bevorsteht. Ist sie den Liebenden leichter? Ach, sie verdecken sich nur mit einander ihr Los. Weißt du's noch nicht? Wirf aus den Armen die Leere zu den Räumen hinzu, die wir atmen; vielleicht da die Vögel die erweiterte Luft fühlen mit innigerm Flug. Ja, die Frühlinge brauchten dich wohl. Es muteten manche Sterne dir zu, dass du sie spürtest. Es hob sich eine Woge heran im Vergangenen, oder da du vorüberkamst am geöffneten Fenster, gab eine Geige sich hin. Das alles war Auftrag. Aber bewältigtest du's? Warst du nicht immer noch von Erwartung zerstreut, als kündigte alles eine Geliebte dir an? (Wo willst du sie bergen, da doch die großen fremden Gedanken bei dir aus und ein gehn und öfters bleiben bei Nacht.) Sehnt es dich aber, so singe die Liebenden; lange noch nicht unsterblich genug ist ihr berühmtes Gefühl. Jene, du neidest sie fast, Verlassenen, die du so viel liebender fandst als die Gestillten.

Rainer Maria Rilke, beendet am 21.1.1912, Duino

quarta-feira, julho 29, 2009

Reflexão de fim da tarde.

Uma amiga minha jurista a trabalhar da Polícia Judiciária confessou-me que já pouca coisa surpreende os investigadores seniores. Dito de outra forma, quem lida de perto com a baixeza humana sabe que esta não tem limites.

Declaração


Este é um blogue livre de pontos de exclamação.
( Ilustração de Pedro Vieira)

Pela Vida contra a comunhão na boca

A gripe A parece ser mais virulenta em mulheres grávidas.
Entre os cuidados acrescidos, recomenda-se vivamente não lamber mãos cheias de saliva alheia.

Ensaio sobre a cegueira

Enfrentar a cegueira súbita é uma experiência dramática, de total aniquilamento pessoal, sobretudo num contexto em que seria expectável uma melhoria clínica.
Espera-se que se apurem as circunstâncias do gravíssimo caso ocorrido e que alguns doentes possam recuperar.

Bom Dia


"De manhã, a saúde faz a recontagem da herança: as árvores do mundo, a ala de casas, a estrada cor-de-tubarão, o contentor do lixo, a bandeira vermelha com a marca de gelados, os breves relvados das vivendas de emigrantes.
A cozinha exsuda café fresco, que é preciso soprar no bordo da chávena mais azul. Há aqui um corpo que vai recomeçar. E com ele o mundo possível. Possível e suficiente: há suficiente céu, bastantes árvores, razoáveis livros e lápis para o dia todo."

Do daniel

Ouvido de passagem

" Se em vez de excursões a fátima fizessem excursões às caldas..."

Missas Wicca

As missas Wikki, estão na moda.

Do beatério

Ai o que eles gostam de estar de joelhos e língua estendida! Fazem jus ao nome - ajoelhou, tem de rezar...........
A sério, que só de imaginar certas beatinhas a babujarem saliva, de olhos em alvo, me dá vontade de vomitar.

Férias felizes

Isto de fazer férias com sete crianças não é para todos.

Férias felizes

O encontro blogosférico com José sócrates valeu a pena, embora carregadinho de testosterona...

terça-feira, julho 28, 2009

O psiquiatra novo

"A primeira vez com um psiquiatra novo custa sempre. Tenho de explicar a razão pela qual estou ali. Não é fácil fazê-lo em meia dúzia de minutos. Exige capacidade de síntese e assertividade. Mal o senhor doutor disser “Então, o que é que a traz por cá?” sairão da minha boca frases em catadupa, tudo ordenado, clarinho como a água, a vida em meia dúzia de linhas sem brilho, o resto escondido atrás das palavras. Tenho sempre a sensação de que não estou a falar de mim. Tristeza, ansiedade, frustração, cansaço, solidão, morte. Toda a gente fala do mesmo. Todos os deprimidos que consultam os psiquiatras da rua António Augusto de Aguiar falam do mesmo"

Belíssimo texto da anna

A descrever o que vive tanta gente que por aí anda a ganir dores e insultos entre ladaínhas.

Mercadinhos

Adoro mercados de peixe. Quando estou na praia ( por bandas lusas) acordo cedíssimo para fazer compras. Ao contrário de certas luminárias, as peixeiras são pessoas cordatas e educadíssimas. Isto de escorregar o pé para o chinelo, não é apanágio delas. Escolhem o melhor peixe da noite para os clientes habituais, com pequenos códigos só delas.

Verão

O Verão dá para isto. Literatura nonsense. Ando a ler o livro Pânico. Ainda ontem, mesmo à beira mar distraí-me completamente e uma enorme onda molhou-me o livro e o saco de praia.
O dilema de hoje é este - consigo entreabrir as páginas coladas com sal sem saltar capítulos ou rasgar preciosas descrições de assassínios e complots?

Virtudes virtuais

Uma amiga minha da Suécia acaba de me mandar um mail. Estaremos juntas no Outono, mas até lá partilhamos experiências, contactos e informações online. Como ela diz, até Outubro é possível escrever um livro em co-autoria, mesmo com autores distantes. Estar online é isto.

De profundis

"Quando envelhecemos, o nosso corpo degrada-se, não o controlamos, tornamo-nos difíceis de ajudar e de aturar. O orgulho, a vergonha e a raiva de nos vermos assim diminuídos impedem-nos de aceitar de boa cara o apoio de que necessitamos e que nos oferecem, tornamo-nos avarentos na gratidão e nos sorrisos. Por todo mundo há inúmeras mulheres, maridos, filhos, parentes, funcionários ou amigos cuja existência diária gira em volta da higiene e dos cuidados prestados àqueles que amam. "O teu Pai, que vê o oculto, há-de recompensar-te" (Mt 6:6). É uma doutrina que parece fora de moda. Thomas A. Kempis (autor de A Imitação de Cristo) incita-nos a valorizar o anonimato, a invisibilidade. Fala-nos da virtude de perseverar no tédio, de sobreviver sem o oxigénio da gratidão, do reconhecimento, do enaltecimento, do carinho; da prática diária e calada de boas acções que só Deus pode ver, conhecer e reconhecer. Os que assim cuidam dos outros estão entre os mais heróicos dos homens e mulheres. "

Excelente texto do Lugar Sagrado

Blogosfera

Ter mais que um blogue , sobretudo se um deles tem mais exposição, é um pouco desgastante, quando se procura ter blogues actualizados. É por isso que gosto deste cantinho aqui. Tipo praia isolada - embora de vez em quando apareçam uns mirones mais tarados.

segunda-feira, julho 27, 2009

Delírios paranóides

A internet está cheia de gente mentalmente perturbada. Claro que nos sites Rad Trads é mais notório. Coitados, que podemos fazer por esses pobres diabos?

Contos exemplares

O Bichão e a Carolina dormiam na casita onde ficavam a guardar o milho. O seu enlace tinha dado brado na freguesia. Dois pobres velhos paupérrimos que tinham dado o enlace contra todas as expectativas. Ao jantar carolina cozinhava noites fora as mesmíssimas batatas com um pingo de azeite. Guardavam os restos de milho na eira durante a noite, à cata de ladrões e lobisomens.

Último trimestre

Uruguai em Outubro, Suécia em Novembro, Polónia em Dezembro.
Estou hesitante em relação ao Uruguai. Escala em Madrid ou S. Paulo?

Nazismo on line na alemanha

"O número de páginas neonazis em Alemão na Internet já ultrapassa as 1600, “e é preciso erradicar o ódio” da rede global, afirmou hoje a ministra da justiça, Brigitte Zypries, numa conferência em Berlim. A extrema-direita germânica “está a tentar apresentar-se na Internet de forma a captar um público jovem”, alertou no decorrer do mesmo evento Stefan Glaser, da “Jugendschutz.net”, site destinado a apoiar online a protecção de menores.“Muitas vezes nem se percebe que são páginas neonazis, mas entretanto esta é a plataforma privilegiada deles”, disse o especialista germânico.Brigitte Zypries sublinhou, por seu turno, que as ameaças e as fantasias violentas “são recorrentes' nos sítios neonazis, e apelou para uma vigilância reforçada para debelar, ou pelo menos minimizar, o problema.A ministra advogou que “o que é proíbido offline deve também ser proíbido online”, admitindo, porém, que o combate ao neofascismo na net “não é apenas uma questão técnica'."

On line

A partir de hoje este blogue passa a estar traduzido em várias línguas.

Os lambe-mãos

Um divertido beato lambe-mãos escreveu que :
" não (...) vou cometer o nauseante e sacrílego acto de receber Nosso Senhor nas minhas mãos imundas. "
Se tem as suas mãos imundas é porque não deve lavá-las muitas vezes, coisa que se recomenda vivamente.
Estranho que tenha tanto nojo das suas próprias mãos e não tenha nojo de mãos alheias sem luvas introduzidas na sua própria cavidade bucal.
Também me divertiu imenso a ideia de que tem as mãos imundas mas deve achar que a sua boca é imaculada de bactérias, tártaro e cáries dentárias. A linguazinha cheia de saliva e sarro, o esófago, o estômago atulhado cheio de ácidos vários, o intestino cheio de fezes e por último, o próprio ânus, por onde sairão inevitavelmente os restos da hóstia, são puros e imaculados.
Ah, já me esquecia, só as mãos são imundas.
Assim de repente parece-me perceber porquê.

O progressismo prevalecerá

É importante compreender que a Igreja Católica sempre viveu numa tensão entre uma visão catastrofista e refractária do Evangelho e uma visão libertadora, progressista e aberta ao futuro. Estas duas clivagens coexistiram desde sempre na história da Igreja e, em alguns momentos sangrentos, o confronto foi inevitável. Embora lentamente e por vezes com séculos de atraso, acabou por prevalecer sempre a visão utópica e libertadora, a visão progressista, por vezes ao arrasto dos ventos da história. A verdade evangélica nunca é retrógrada ou conservadora. Foi assim com a posição oficial da igreja face à escravatura - desde uma aceitação e incentivo directo, até à sua condenação só em em junho de 1888, com a encíclica do papa Leão XIII condenando a escravidão.

De notar que muito antes, o papa Nicolau V concedeu a Afonso V, entre outros direitos, o de reduzir à escravatura perpétua os habitantes de todos os territórios africanos a sul do Cabo Bojador. A Dum Diversas é uma bula papal dirigida a D. Afonso V de Portugal e publicada em 18 de junho de 1452 pelo Papa Nicolau V.

Foram precisos dezanove séculos, a revolução francesa, a afirmação do ideário dos direitos humanos universais, foi necessária a luta pela abolição da escravatura e a revolução industrial, para finalmente a Igreja tomar uma posição pública de acordo com o Evangelho.

Foi assim quanto à posição oficial da Igreja face ao judaísmo - desde um antisemitismo violento e homicida, passando pela aceitação tácita da solução final, até ao volte face radical do Concílio Vaticano II e as actuais relações cordiais e fraternas com o judaísmo.

Será assim com os direitos das mulheres.

Anjos

Entretanto, descobri aqui um belíssimo texto

Mais uma fraude mariana

O famoso "Padre Tomislav Vlasic" abandonou o sacerdócio depois de uma investigação com crescentes preocupações sobre as supostas aparições, consideradas uma gigantesca fraude. O Padre Vlasic era o antigo ‘director espiritual’ de seis videntes que afirmam que Nossa Senhora as visitou em Medjugorje aproximadamente 40.000 vezes em 28 anos.
Como em todas as fraudes marianas, as aparições inventadas, mistura de fraude e histeria colectiva, renderam milhões de lucros e centenas de "provas milagrosas".
O grande azar dos videntes foi terem inventado as aparições na década de oitenta do século XX e, por isso mesmo, serem fiscalizadas do ponto de vista científico. Fosse 50 anos antes e eram santos, assim, não se safaram.
Já agora, podem consultar os sites dos fraufulentos videntes online e constatar que a mensagem de Medjugorje e a mensagem de Fátima são iguaizinhas. As rezas de terço e do rosário são o máximo e, para completar o quadro, não faltou sequer um milagre do sol.

De notar que a taradice é tanta que houve mesmo pessoas que ficaram cegas, depois de olharem prolongadamente para o sol em busca de milagres impossíveis.

Os lambe mãos contra a vida

Todos sabemos que alguns beatos salivam pavlovianas excitações quando se aproximam da comunhão.
Preferem lamber a hóstia da mão do padre do que tomá-la nas mãos e alimentar-se como adultos (espiritualmente falando, claro, e isto não é uma metáfora).
Neste acto de ser alimentado por outro, como uma criança ou um incapaz, ainda por cima com as mãos, é praticamente impossível que gotículas de saliva não passem das linguas estendidas e húmidas para as mãos do padre, saliva essa que contamina a hóstia seguinte. Ou seja, ao fim de meia dúzia de pessoas terem comungado por este processo um bocado nojento, já as mãos do padre estão mais que contaminadas de salivas misturadas.
Há quem goste disso.

São gostos pessoais sem qualquer fundamento doutrinário a não ser algum pietismo mágico.
Mas, se está em causa a vida e a saúde das pessoas, será lícito que as excitações pessoais se sobreponham ao interesse comum e à defesa da vida?

Coisas de nada

A politiquês da santidade.

O efeito Bruno

O Vaticano reabilitou Oscar Wilde, considerando que foi, acima de tudo, "uma das personalidades do século XIX que com mais lucidez analisou o mundo moderno nos seus aspectos perturbadores mas também nos seus aspectos mais positivos". A definição é assinada por Andrea Monda, num artigo publicado no "L'Osservatore Romano", o jornal oficial do Vaticano, a propósito da biografia "The Portrait of Oscar Wilde", de Paolo Gulisano.
Recomenda-se vivamente a leitura do autor, no meio da silly season.

sexta-feira, julho 24, 2009

Antisemitismo tuga

A primeira vez que contactei com o antisemitismo teria talvez seis anos. A grande vantagem de não ter nascido em Portugal é ter estado protegida durante os primeiros anos, de certas influências tugas. Alguém usou ao pé de mim a expressão tipicamente beirã "fazer judiarias" como sinónimo de "maltratar alguém " ou "fazer maldades". Ao perguntar pelo sentido da expressão, explicaram-me que os judeus tinham torturado e matado nosso senhor na cruz e não são de confiança. Foi-me afiançado tal com tanta certeza que passei a imaginar os judeus como uma espécie de duendes maldosos com um pote de ouro debaixo do braço e narizes aduncos. A queima do judeu ainda ressoava nas tradições recentes, a par com as touradas. É certo que rapidamente, a diabolização do judeu, anda tão latente no portugal campónio profundo foi substituída pela diabolização do comuna e a queima do judeu foi substituída por outras, mais sérias - a queima das sedes do PCP.

"Como eu gosto de ver o silêncio dos liberais-que-também-são-católicos em relação à encíclica do Papa. Em privado, dizem que aquilo é um disparate. Em público, zero. É a vidinha. "

Henrique Raposo

Os rad trads andam deprimidos

Depois explicarei porquê.

Miguelinhos

Ainda a propósito do quino, o miguelinho não deixa de ser ternurento na sua infantilidade obstinada.

Susaninhas

A susaninha é uma das minhas personagens preferidas do Quino. Conheço várias, todas iguais.

Herói do dia


Histórias exemplares

Nos tempos de faculdade tinha uma amiga chamada susaninha. De famílias bem, era devotíssima de nossa senhora. Sempre que dava uma queca com o namorado obrigava o pobre do rapaz a percorrer a cidade de carro à procura de uma igreja com um confessor disponível. Depois de confessada, regressava a casa, com a virgindade recuperada e o sorriso deslumbrante. Os pais pasmavam com tanto recato e pureza, uma menina exemplar que nunca saía à noite e namorava pudicamente, com um estudante de medicina, com quem saía apenas durante o dia, regressando a casa a tempo do jantar em família.

O namorado, esse, fartou-se de tanta reza pós-coital e não casou com ela.

O senhor palomar e eu

"O Senhor Palomar não gosta de autores que abusam do ponto de exclamação para mostrar uma tirada inflamada. Não só porque aprecia o discurso em tom sereno, como porque considera que não raramente esse tipo de caminho estilístico esconde uma profunda incapacidade de alguém se fazer explicar. Mas pior que tudo isso é a interpretação que se rouba ao leitor: após um grito nos nossos ouvidos, ninguém mais consegue raciocinar, isso é um dado adquirido."

Eu concordo.

quinta-feira, julho 23, 2009

Intelligent Design é uma estupidez específica irredutível

Complexidade específica irredutível (CSI) é um conceito que os adeptos do Intelligent Design inventaram para fingir que existe um argumento científico para a existência de um Criador ou Arquitecto de todas as coisas vivas e também dos fósseis. A ideia é que há coisas na Natureza que só funcionam quando todos os elementos estão juntos, não podendo ter evoluído a partir de componentes simples separados. Um desses exemplos é a própria ideia do Desenho Inteligente. Trata-se de uma estupidez complexa, específica e irredutível. Ou seja se retirarmos qualquer dos elementos ao conceito (por exemplo, que se trata de ciência ou que um agente inteligente desenhou as coisas vivas e o mundo) deixa de ser uma estupidez completa.
David Marçal

a origem

O nome deste blog é em homenagem ao siriús.

silly season

O senhor Palomar. È a notícia do dia, quando a blogosfera fervilha por causa deste cavalheiro gentil.

quarta-feira, julho 22, 2009

A urgência do feminismo

A valorização da virgindade feminina é um dos estereótipos mais marcantes da ideologia machista, inda que eivada de mansos costumes, falácias religiosas ou lirismo ideológicos.
Violar uma virgem, é, nas fantasias mais recônditas de muitos homens (ia a escrever quase todos), a expressão mais exaltante do poder viril.
A virgindade prenupcial como atestado de propriedade masculina do corpo da mulher -reduzido assim a coisa, res - é típica de sociedades patriarcais e falocêntricas, onde a mulher vale apenas como objecto de prazer ou vaca parideira. Ou seja, não vale nada. Ou facto de alguns sistemas religiosos ( incluindo o integrismo católico) reproduzirem, ou aparentemente validarem, esta concepção mercantil das mulheres, não a torna menos aberrante.
Lembrei-me disto a propósito do surto de mulheres que fazem leilões online da suposta virgindade. A última é uma mulher equatoriana e vender-se na net. Segundo a imprensa espanhola, o anúncio despertou a curiosidade de um interessado, que terá oferecido 2,3 milhões de euros, mas as condições não agradaram à equatoriana, que elencou uma série de regras a serem observadas: uma única noite, sem beijos, sem carícias, com um atestado médico do maior licitador e com preservativo. Não se trata propriamente de sexo mas de um coito mecânico, como se a mulher fosse uma vaca. O mais extraordinário é haver um tarado que se satisfaça com isso. Mas, não não é extraordinário.
É este o valor da virgindade feminina.

Merdosos sem praia

I Sínodo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro (1949)
“Art. 499. A freqüência a praias ou piscinas públicas não pode deixar de ser veementemente condenada como atentatória à moral, salvo quando houver a possibilidade de conciliar-se:a) lugar discreto, ou hora não frequentada indistintamente;b) traje decente;c) companhia escolhida, e nunca mista.”

Tristes merdosos

"Condenamos as danças como o tango, o fox-trot, o turkey-trot, o camel-trot, o schimmy, o cheek-to-cheek, o one-step, o two-step, e outras do mesmo gênero, chamem-se com o nome que se chamem, pois são danças lascivas em si mesmas; e também as danças que são lascivas pela maneira de se dançar, como a valsa, a polka, que se dançam em nosso dias, ordinariamente, de uma maneira lasciva. Nós as reprovamos energicamente como ocasiões próximas de pecado, e as proibimos expressamente em toda a nossa diocese, de maneira que, Deus não o permita, quem ousar participar, ou permitir que seu filhos ou criados paticipem delas, ou deixá-los dançar em sua casa, se fará réu de um pecado grave de desobediência.”
(Pe. F. A. Vuillermet, O.P., Los Católicos y los bailes modernos, tradução para o espanhol de P. Miguel Barqueiro S.J., Ed. Eugenio Subirana, 1927, pp. 36-38 e p. 62)

caridade merdosa

"Dar com prudência, oferecendo ao pobre tal espécie de comida que sirva para satisfazer sua necessidade e não para despertar sua gula. O Senhor deu aos pobres pães e peixes, não perdizes e faisões."
Ojea Y Marquez, El Corazón de Jesús retratado em sus parábolas, Madrid, 1907, pp. 211-212.

terça-feira, julho 21, 2009

pergunta do dia

vou ou não vou ao uruguai?

O senhor palomar

"O Senhor Palomar não teve muito sexo na adolescência e talvez isso o tenha marcado mais do que gosta de admitir. Um pouco menos de leitura e um pouco mais de porqueira talvez tivessem reforçado alguns traços da personalidade que agora estão meio adormecidos. Daí este conservadorismo latente, esta omnipresente dúvida de saber o que é correcto e não é. Mas a fidelidade continua a ser-lhe importante. É um valor que lhe fala ao coração e as razões do coração o Senhor Palomar não contraria. É fiel. É fidelíssimo. Como um gato, como um cão. Como um cão com dono. E gosta de o ser, gostando de quem gosta como se o amanhã não viesse e esta noite tivesse que o dizer por escrito, para que talvez desta forma essa pessoa o creia.Mas nos livros não e o Senhor Palomar não pode deixar de assinalar que essa é talvez uma das melhores características da prática da leitura. Na verdade, o Senhor Palomar está convencido que é a leitura que permite a muitos homens continuarem a deitar-se com mulheres feias e ainda assim achá-las belas. Noite após noite. A não as trocarem por mais ninguém. Para trocas, já bastam os livros, com os quais tudo é muito mais fácil e directo (mais fácil do que ter sexo, pelo menos). Se o livro não serve, volta para a estante que há logo outros que se acotovelam para serem escolhidos e que ainda por cima ficam gratos por os usarmos por umas horas - algo que, como se sabe, é impossível quando estamos a falar de uma mulher. Ai, ai, Se tudo na vida fosse tão fácil como escolher um bom livro."
Publicada por Senhor Palomar em 1:02 "

a tradição ainda é o que era


Andam por aí umas pobres luminárias a clamar apocalipses porque a homossexualidade seria uma invenção pós moderna.
Bem, basta lembrar os fulgores da cultura grega e da tolerância face á homossexulidade masculina.
Os costumes medievos de cavalaria cristã adoptaram tal tradição e, para pormenores mais místicos, basta ler o processo dos templários.

segunda-feira, julho 20, 2009

O movimentto PPV está em processo eleitoral . Sensibilizada por tanto fulgor democrático, fui informada que:

"Se entretanto quiser inscrever um filho(a) ou amigo para votar já desta vez, não deixe para o fim ... faça-o já!É muito simples o voto por email. "Lembramos que podemos inscrever cidadãos de qualquer idade, e mesmo os mais jovens podem votar (ou os representantes legais por eles). Nós temos consagrado nos estatutos o propósito de não fazer qualquer "discriminação etária" - na prática é isto!"

Ou seja, quem tiver seis filhos vota sete vezes - pelo próprio e por cada um dos seus seis filhos menores de que é representante legal.Tanto rigor democrático deixou-me emocionada. Ui que se esta gente se apanha no poder...

o herói do dia


A urgência do feminismo

Entretanto, a chacina continua.
Aumenta sempre no Verão.

Católicos nazis

Não deixa de ser curioso como os pretensos católicos neonazis tentam defender o indefensável através de eufemismo delirantes. Por exemplo, não são racistas, mas racialistas ( defendem a desigualdade das raças e a supremacia da raça branca). Não negam o Holocausto, só negam que houve câmaras de gaz. Não são antisemitas, são antisionistas.
A este propósito, um artigo interessante e sempre actual:

"Nevertheless, this debate - with its insistence that there is a distinction between anti-semitism and anti-Zionism - misses the crucial point of contention. Israel's advocates do not want to gag critics by brandishing the bogeyman of anti-semitism: rather, they are concerned about the form the criticism takes. If Israel's critics are truly opposed to anti-semitism, they should not repeat traditional anti-semitic themes under the anti-Israel banner. When such themes - the Jewish conspiracy to rule the world, linking Jews with money and media, the hooked-nose stingy Jew, the blood libel, disparaging use of Jewish symbols, or traditional Christian anti-Jewish imagery - are used to describe Israel's actions, concern should be voiced."

Emanuele Ottolenghi


A ingenuidade ou a rigidez?

Uma das características das boas almas mais ingénuas que abraçam o fundamentalismo religioso e as suas seitas é a incapacidade de fazer uma leitura distanciada e objectiva da realidade.
Mesmo quando há tantas evidências objectivas, factos concretos .
( Um bom exemplo é a negação do óbvio sedevacantismo da Radio Cristandad. Ainda que não o assuma publicamente, por pura hipocrisia, haverá alguma outra razão para darem literalmente voz a discursos sedevacantistas e antisionistas?)

Rebajas

Primeiro foi o ùltimo reduto a parar a actividade. Foi o primeiro indício.

Depois foi o inenarrável Ascendens que cessou actividade. Tendo aliás feito uma ocupação selvagem de um outro blogue Trad, esse bastante civilizado, que se apagou subitamente.

Depois o sexo dos anjos anunciou a retirada.

A Nova Frente fala mesmo dos vencidos da blogosfera.

Concordo.

Um grande passo

Pela Vida

Os bebés e as mulheres grávidas representam um grupo de risco face à gripe A. Recomenda-se que evitem estarem em espaços fechados com muitas pessoas - centros comerciais, igrejas cheias, reuniões.

Hum....

Eu já sabia que muitos religiosos fundamentalistas leem o meu blogue .
Deverei preocupar-me porque começo a ser lida na República Islámica do Irão?

Egoísmo grávido

Já aqui escrevi algures que há qualquer coisa de pornográfico nas mãezinhas que expoem online os seus bebés ainda no útero em nome de um narcisismo adolescente.

Pela vida!

ORIENTAÇÕES PARA AS COMUNIDADES CRISTÃS
Estamos perante a ameaça de uma "pandemia" através de uma doença que se transmite com muita facilidade e já é de todos nós conhecida. É a GRIPE A ou GRIPE H1N1. A missão da Igreja, através da Pastoral da Saúde, está em assistir os doentes, mas também em prevenir as doenças, através da educação para a saúde.O papel do sacerdote e de todos os outros agentes pastorais consiste também em colaborar com a sociedade na prevenção das doenças. O sacerdote, sobretudo se presidir a uma comunidade cristã, é um agente social da maior importância.Perante a ameaça da GRIPE A, o que fazer?
1. Aconselhar todos os cristãos da sua comunidade a seguirem as orientações dadas pela Direcção Geral da Saúde - Ministério da Saúde, na prevenção desta doença, como sejam:
- Lavar as mãos com água e sabão com muita frequência.
- Se tossir ou espirrar, cobrir a boca e o nariz com um lenço de papel, a deitar fora de imediato.
- Se ficar doente, permanecer em casa.
- Evitar o contacto com pessoas com gripe.
2. Nas celebrações litúrgicas, recomenda-se:
- Aos Ministros da Comunhão, Sacerdotes e Ministros Extraordinários, que purifiquem as mãos com solução anti-séptica, antes da distribuição da comunhão.
- Aos fiéis, que quanto possível, recebam a Comunhão na mão e não na boca, aliás segundo prática secular na Igreja.-
A todos, que reduzam o abraço da paz a um pequeno sinal ou inclinação da cabeça sem o contacto físico.
3. Nos templos pede-se também para:- Manter vazias as "pias de água benta" às portas da igreja, para não as tornar um foco de transmissão do vírus.- Ter a Igreja suficientemente arejada, sobretudo em atenção ao número de fiéis nas celebrações dominicais.Deve evitar-se todo o alarmismo, mas é da maior necessidade que a Igreja colabore nos programas de prevenção da Gripe A.

sábado, julho 18, 2009

Memórias online

"Quinta-feira, Junho 16, 2005
¡Viriatos, acudid!

Este modesto colaborador se solidariza completamente con la manifestación en contra de la inmigración incontrolada convocada para mañana en Lisboa). Rafael Castela Santos"

A manifestação era ESTA e foi promovida pelo PNR e algumas associações de Skins e Mário Machado, posteriormente condenado a pena de prisão efectiva por vários crimes violentos.

A tal manifestação, com a qual o RCS completa e publicamente se solidarizou consistiu nisto:

"As faixas no local traziam dizeres como "Basta! Imigrantes = Criminosos" e "Não existem direitos iguais quando és um alvo por seres branco". De cabeça raspada, com roupas e botas pretas, apesar do calor de 35 graus, Mário Machado, dirigente da Frente Nacional, disse à BBC Brasil que "Portugal está a passar por uma crise bastante grande, com tensões raciais brutais". "Os negros andam a juntar-se em gangues de 500 pessoas e os ciganos juntam-se aos 200 para roubar a população, e o nosso governo não tem coragem de admitir isso, porque não é politicamente correto falar em raça", disse Machado. Ele disse que os imigrantes ilegais seriam responsáveis pelo aumento da criminalidade no país e que a solução para o problema estaria na "repatriação imediata de todos os imigrantes ilegais" do território português.
Machado tem uma suástica tatuada no seu braço direito: "É o símbolo das nossas tradições e dos povos arianos que habitavam a Europa desde o princípio". Apesar de não usar roupas ou corte de cabelo que o pudessem identificar como membro de um grupo de extrema direita, José Pinto Coelho, vice-presidente do Partido Nacional Renovador, propõe medidas mais radicais"
.

De notar que o apoio do Rafael Castela Santos a esta manifestação neonazi foi uma espécie de moeda de troca ao apelo de uma outra manif em madrid feita por católicos radicais.

o riso

Na bíblia, há a história de uma mulher que ri de deus.

a velha sara ri descaradamente da tontice deste deus que lhe anuncia o impossível - uma gravidez quando as entranhas estiolaram há muito prenhezes imprevisíveis.

e assim nasce Isaac, da gargalhada provocadora da mulher face a um deus que se infiltra na história humana, melhor dizendo na história das mulheres, e lhes propõe o inesperado.

há muito de libertador nesta gargalhada da mulher face à audácia divina - uma mulher que olha para deus e se ri, condescendente da sua ignorância sobre os ciclos da vida.

esse deus que tardiamente e de uma forma impossível responde ao seu desejo mais íntimo precisamente no momento em que já deixara de acreditar, rendida à inevitabilidade biológica.

é no riso das mulheres que deus escreve a história.

sexta-feira, julho 17, 2009

"O tempo não é uma medida. Um ano não conta, dez anos não representam nada. Ser artista não significa contar, é crescer como a árvore que não apressa a sua seiva e resiste, serena, aos grandes ventos da primavera, sem temer que o verão possa não vir. O verão há de vir. Mas só vem para aqueles que sabem esperar, tão sossegados como se tivessem na frente a eternidade."

Rainer Maria Rilke

poetas mortos

A minha primeira bíblia foi um livro do rainer maria rilke - cartas a um jovem poeta. Bíblia, porque durante quase um ano andei com o livrinho para todo o lado, com sublinhados vários, notas marginais e poemas esboçados nas páginas em branco. O amor ao livro não era apenas pelo conteúdo, mas pelo amor de quem mo deu - um jovem poeta com quem trocava missivas literárias do mais puro platonismo. um dos sítios onde nos encontrávamos - cada um a estudar sebentas impossíveis - ele a estudar economia e eu às voltas com o direito - era o nosso pretexto de trocarmos poesias enquanto ele me falava dos amores adolescentes por outras miúdas.

Era um local verdadeiramente mágico, a antiga biblioteca municipal de coimbra, nas águas furtadas do antigo mosteiro de santa cruz, um sítio cheio de fábulas, com mesas compridíssimas de madeira antiga onde nos sentávamos a poetar e a ler de tudo, um cheiro extraordinário a livros velhos e banda desenhada nova, o tilintar da água dos claustros que nos chegava lá acima, sobretudo no verão, quando o jardim se abria em alvoroço através dos vitrais antigos e invadia as estantes com cheiros alaranjados.

foi numa dessas tardes que ele me ofereceu o livro, juntamente com um poema.

ficámos amigos desde aí e comecei a pensar se escrever não será uma predestinação qualquer.

A tradição

Um divertissímo blogue brasileiro iniciou uma espécie de cruzada saloia. A ideia parece piedosa mas logo o modus operandis me lembra a pietíssima IURD, cheia de obras de caridade.
Pode ler-se no ínício da página:
"
Para ajudar o Index Bonorvm
Colabore: encaminhe um e-mail solicitando os dados bancários. (Em breve instalaremos o pagseguro)Agradecemos qualquer ajuda para cobrir os gastos relacionados com este nosso trabalho. Deus os abençoe! "

Vai lá vai....

Livros

Folheei o livro do Cláudio Ramos na livraria e não sei porquê mas a imagem mental que me surgiu logo foi o fantástico Bruno em busca da fama.Claro que o bruno tem muito mais estilo que o pobre do Claúdio Ramos.
Mas veio-me logo à ideia aquele horroroso frame do filme em que Bruno faz uma depilação a cera anal completa enquanto fala ao telefone para um produtor de televisão.
Sim, eu sei que a imagem é obscenamente ridícula , mas cola-se à retina e assalta-nos o pensamento quando vemos personagens parecidas. A sério que doravante não vou conseguir ver o Cláudio ramos na TV sem o imaginar em decúbito ventral a fazer depilação. Sou tradicionalista, pronto...

Vidente condenado por burla

O mestre Dami foi condenado, esta tarde, a três anos e dez meses de prisão por burla agravada, pelo colectivo de juizes do Tribunal S. João Novo, no Porto.
O mestre foi considerado culpado de quatro crimes de burla agravada, tendo arrecadado em quatro meses, aos clientes, um total de 318 mil euros. Entre os lesados está a apresentadora Ana Cláudia Viriato, que trabalhou no programa ‘Portugal no Coração’, da RTP 1.
Todas as vítimas do parapsicólogo, em prisão preventiva desde que foi detido no aeroporto de Lisboa onde se preparava para embarcar para o estrangeiro, contraíram empréstimos para pagar os serviços do mestre que pedia entre 45 mil e 210 mil euros.

è a vontade de deus

quinta-feira, julho 16, 2009

Les bons esprits se rencontrent

A propósito de extrema direita portuguesa, achei interessantíssima a análise do Jansenista. Não deixa de ser um exercício curioso estabelecer um paralelismo entre a crítica político ideológica subjacente ao texto e as manifestações dos Rad Trads portugueses.

Uns e outros partilham os mesmos ideários, as mesmas referências ideológicas e até estéticas, os mesmos referentes simbólicos e os mesmo vícios.

A ler os vários posts - de paupérrimo gosto e duvidosa qualidade literária - dos blogs rad trads , além tom panfletário e adolescente dos textos, uma mistura de slogans de campanha de AEs do secundário, com textos doutrinários sem qualquer contextualização ou enquadramento crítico, comungo o pasmo do Jansenista. O que mais me impressiona é a adolescente falta de ambição cultural e de fibra moral. Os itálicos são meus. Passo a citar:

"1) a veneração de todos os «losers» que a nossa sociedade ( a Igreja) foi produzindo nos últimos 50 anos, os bons e os maus, os românticos sonhadores mas também os pseudo-marginais e os pseudo-literatos;

2) o afunilamento dos ideais estéticos ( doutrinários e teológicos ) às exíguas produções de uma certa clique pseudo-clandestina;

3) a cumplicidade com todo o tipo de profanações idiotas do nosso adquirido civilizacional ( doutrinário e teológico);

4) o completo desprezo pela realidade e pelas restrições que ela impõe à racionalidade do discurso e da conduta;

5) o estranho convívio do passadismo com a quase total ignorância das referências do passado;

6) a atordoante litania de frases e ideias feitas e estafadas, sem um assomo de crítica ou uma intenção evolutiva;

7) o espírito de facção e de matilha, os cambados e ventripotentes mandarins a aliciarem jovens crédulos com promessas de promoções sem significado;

8) a total incongruência da denúncia da partidocracia , verdadeiramente caricata quando provinda de partidos ( grupos) minúsculos que se afadigam a imitar os partidocratas nos seus mais notórios e detestáveis tiques."

Amansados

Hoje tive um par de excelentes notícias de Aveiro.
Entretanto soube que os Rad Trads blogueiros do costume andam invulgarmente amansados. Até já conseguem escrever um parágrafo inteiro onde se inclui o nome de D. José Policarpo sem um único insulto. Tal facto extraordinário parece-me um autêntico milagre de Fátima. Talvez seja o primeiro passo da conversão, quem sabe?

terça-feira, julho 14, 2009

Menos dois

Mais dois blogues rad trads desistiram da actividade. A blogosfera lusa fica menos poluída, e inda bem....

Livro das horas

Que farás tu, meu Deus, se eu perecer?
Eu sou o teu vaso - e se me quebro?
Eu sou tua água - e se apodreço?
Sou a tua roupa e o teu trabalho
Comigo perdes tu o teu sentido.
Depois de mim não terás um lugar
Onde as palavras ardentes te saúdem.
Dos teus pés cansados cairão
As sandálias que sou.
Rainer Maria Rilke

Respostas

"Repetimos receitas e sacramentos. Não há vento. Só cimento e "naftalina.

Queremos que entendam o nosso latim mas não nos dispomos a aprender as l ínguas dos outros. O desejo de sobreviver ameaça matar-nos a paixão, roubar-nos o encanto. Onde está a exigência da profecia e a "largueza" da criatividade?

Sonhamos demasiadas vezes com uma igreja de "puros" . De onde vêm as nossas frustrações? Que fará um jovem ao encontrar consagrados que fecharam aliberdade de Deus nafor taleza dos seus sacrários? A liberdade não é o caminho da verdade?

Assassínos franquistas

La Iglesia vasca pide perdón por su silencio ante un crimen franquista
Seis obispos recuerdan en una misa a 14 sacerdotes nacionalistas ejecutados

Ai Jesus!


Pro-Life


Que diferença faz sair mais ou menos depressa de um sítio de onde temos mesmo de sair? Não nos devemos preocupar em viver muito, mas sim em viver plenamente; viver muito depende do destino, viver plenamente, da nossa própria alma. Uma vida plena é longa quanto basta; e será plena se a alma se apropria do bem que lhe é próprio e se apenas a si reconhece poder sobre si mesma. Que interessa os oitenta anos daquele homem passados na inacção? Ele não viveu, demorou-se nesta vida; não morreu tarde, levou foi muito tempo a morrer! "Viveu oitenta anos!". O que importa é ver a partir de que data ele começou a morrer. "Mas aquele outro morreu na força da vida". É certo, mas cumpriu os deveres de um bom cidadão, de um bom amigo, de um bom filho, sem descurar o mínimo pormenor; embora o seu tempo de vida ficasse incompleto, a sua vida atingiu a plenitude. "Viveu oitenta anos". Não, existiu durante oitenta anos, a menos que digas que ele viveu no mesmo sentido em que falas na vida das árvores. Peço-te insistentemente, Lucílio: façamos com que a nossa vida, à semelhança dos materiais preciosos, valha pouco pelo espaço que ocupa, e muito pelo peso que tem. Avaliemo-la pelos nossos actos, não pelo tempo que dura."

Séneca

A propósito duma encíclica

"Observa atentamente, e verás a corrupção que se esconde sob essa leve capa de dignidade. Desde que o dinheiro (que tanto atrai a atenção de inúmeros magistrados e juízes e tantos mesmo promove a magistrados e juízes!...), desde que o dinheiro, digo, começou a merecer honras, a honra autêntica começou a perder terreno; alternadamente vendedores ou objectos postos à venda, habituamo-nos a perguntar pela quantidade, e não pela qualidade das coisas. Somos boas pessoas por interesse, somos bandidos por interesse, praticamos a moralidade enquanto dela esperamos tirar lucro, sempre prontos a inverter a marcha se pensamos que o crime pode ser mais rendível. Os nossos pais habituaram-nos a dar valor ao ouro e à prata, e a cupidez que assim nos foi instilada ganhou raízes e foi crescendo connosco. Toda a gente, ao fim e ao cabo tão díspar em tudo o mais, está de pleno acordo quanto ao «vil metal»: só a ele aspira, só a ele deseja para os seus, e é ele a coisa mais preciosa que encontra para oferecer aos deuses em acção de graças! A moralidade pública degradou-se a tal ponto que a pobreza é objecto de maldição e causa de opróbrio, desprezada pelos ricos e odiosa aos pobres.

Séneca, in 'Cartas a Lucílio'

Bruno

É o filme mais iconoclasta que algum dia vi, e já vi muitos...
De um humor absolutamente sórdido e sem limites como é a própria realidade humana. Vai ser provavelmente o fime mais odiado do ano - capaz de expôr a caricatura de uma certa elite gay ao mesmo tempo que denuncia a ridícula sordidez da moral heterossexual homofóbica
O filme tem momentos de hilariante mau gosto, numa imitação do quotidiano. a começar pelo bruno ser um austríaco amante de hitler, com quem se identifica, totally...
Mesmo antes da estreia mundial, a nova personagem começou a provocar polémica, principalmente na Áustria. Frases como "só quero viver o sonho austríaco de encontrar alguém, construir uma cave e começar uma família", numa clara referência ao caso Fritzl, levou já a imprensa austríaca a classificar o filme de "insultuoso".

Completamente contra indicado para rad trads, solteironas e outras bichas solitárias.

Pena de morte aos nove anos?


Há uma cáfila de gente dita católica que advoga que é preferível deixar morrer uma menina de nove anos do que salvá-la.
Uma morte atroz - ruptura uterina seria a causa mais provável. Dito de uma maneira mais sauve, para os taradinhos católicos degustarem, as paredes do útero seriam rasgadas por dentro e morte seria por hemorragia interna.
Mas que interessa a vida de uma criança subnutrida e brutalizada?
Afinal, não passa de uma fêmea, ou seja de um útero ambulante, com apenas duas funções - servir de buraco para a concupiscência sexual de qualquer um e parir. Parir, mesmo que morra no processo. Tendo cumprido a primeira missão, restava-lhe a segunda.
Graças a Deus, a menina brasileira foi salva pela equipa médica através de um aborto terapêutico. E ninguém foi excomungado - nem a menina, nem a mãe, nem os médicos.
É estranha tanta aflição com a manutenção da condenação à morte de uma criança e nem uma única pena de excomunhão para aqueles que evitaram essa morte in extremis.
Outra boa notícia - metade dos elementos Academia Pontificia para a vida, incluindo o seu Presidente, apoiaram o aborto terapêutico que permitiu salvar avida desta criança.

traseiros eclesiásticos

Os rad trads do costume andam bastante excitados porque , por razões arquitectónicas, um ilustre prelado foi obrigado a celebrar a missa de costas para a assembléia.Tanta excitação parece-me suspeita.

Mas isso deve ser porque vi o filme bruno ontem à tarde.

Voltarei ao filme.

segunda-feira, julho 13, 2009

A tradição já não é o que era







A missa da modernidade

A missa tridentina, também chamada missa tradicional ou missa de São Pio V é uma Missa celebrada em latim, de acordo com as formas sucessivas do Missal Romano, foi promulgado em 5 de Dezembro de 1570 por S. Pio V, em cumprimento do mandato que recebera do Concílio de Trento:
Produto dos alvores da modernidade, traduziu-se numa ruptura revolucionária com fórmulas anteriores e só surgiu dezasseis séculos depois da última ceia.

Quais são os problemas que devem ser confrontados pela Igreja atualmente?

: "Antes de tudo a questão da Igreja em relação aos divorciados, depois a nomeação ou eleição dos bispos, o celibato dos padres, o papel do laicato católico, as relações entre a hierarquia eclesiástica e a política".

domingo, julho 12, 2009

A tradição marialva

O tom popularucho e alarve com que alguns pretensos comentadores políticos envolvem uma deputada a nação, a propósito do seu apelido, evidencia que, por trás duma aparente atitude civilizada , o mais rasco marialvismo lusitano continua à solta.
Aliás, o que mais se poderia esperar dos que ainda há pouco tempo sugeriam que, se Maria João Pires não consegue apoios financeiros para os seu projecto criativos, poderia sempre... prostituír-se?
Há sempre um proxeneta escondido na alma de um marialva.


E agora algo verdadeiramente tradicional





Música para rad trads desconsolados...

Missão impossível

A impossibilidade dos integristas católicos regularizarem a sua situação resulta apenas da sua vontade expressa em manter o cisma.
Vejamos:
"La condition sine qua non pour que l’on s’interroge sur le statut à donner à la Fraternité Saint Pie X, c’est la résolution de nos dissensions. En attendant, nous conserverons le statut qui est le nôtre actuellement ; il n’y a aucune urgence à le faire évoluer, et nous ne changerons rien à notre apostolat. Par conséquent, les discussions pourront et devront prendre le temps qu’il faudra
- Ces discussions devraient donc pouvoir s’ouvrir dès que Rome en aura fixé le cadre ?
Non, car il faudra d’abord que nous ayons déterminé l’ordre dans lequel nous aborderons les différents sujets ; il faut aller dans un ordre croissant de difficulté, et résoudre un point après l’autre. Nous allons émettre nos souhaits.
- Quels sont-ils?
Il faut commencer par la liturgie ; ce serait le plus simple, car l’on pourra montrer la déficience du nouveau rite des ordinations sacerdotales, par exemple. Déficience qui, en revanche, lorsqu’on parle de la nouvelle messe, tient plutôt de la contradiction pure et simple; car c'est une nouvelle théologie qui s'y exprime, donc une autre religion. Ensuite doivent venir l’œcuménisme et de la liberté religieuse ; des thèmes qui sont beaucoup plus graves, parce qu’ils engagent la foi. La question de la collégialité des évêques ne peut venir qu’à la fin car c’est la plus difficile ».
Quand vous parlez de régler les dissensions, est-ce que vous envisagez la voie du compromis, qui permettrait que coexistent vos positions et celles de Rome ?«
Jamais nous ne signerons de compromis ; les discussions n’avanceront que si Rome réforme sa manière de voir et reconnaît les erreurs dans lesquelles le Concile a mené l’Eglise. »
Podemos por isso dormir tranquilos.

sábado, julho 11, 2009

Facelift


Eu sei que uma cara de desenho animado pode explicar muito sofrimento interior expresso em rigidez comportamental. A vida das pessoas desenha-se muito na cara, como se uma distorção íntima transparecesse na pele. Um queixo afilado e esguio, que os estetas renascentistas associavam a falta de carácter e os biólogos associam a caraterísticas femininas, podem transformar um homem pacato num rato de sacristia. Umas orelhas descomunais ou um nariz caricatural, podem marcar um adolescente para sempre e conduzi-lo a caminhos mais radicais. Podem também explicar uma misoginia nascida simplesmente do desinteresse feminino por tais personagens, com tanta falta de charme viril.
È interessante verificar que entre os representantes de grupos religiosos mais radicais não há um único homem bonito. Por isso partilho da opinião do Luís - será um facelift gratuito o melhor antídoto do fundamentalismo religioso?
Quem não é feminista não pode ser católico.

Feminismo radical

"Embora a maternidade seja um elemento chave da identidade feminina, isso não autoriza absolutamente a considerar a mulher apenas sob o perfil da procriação biológica. Pode haver nesse sentido graves exageros que exaltam uma fecundidade biológica em termos vitalistas e que frequentemente são acompanhados de um perigoso desprezo da mulher. (...) A tradição cristã nega de forma radical toda a pretensão de fechar as mulheres num destino que seria simplesmente biológico."
Ratzinger
Ora cá está a mais eficaz fundamentação teológica para a utilização da contracepção eficaz.

Rad Trads on line


Pobres destroços em pânico


Ao contrário do que babujam algumas pobres aflitivas almas, as discussões doutrinárias entre Roma e a FSSPX, com vista à plena regularização da situação canónica desta última no seio da Igreja institucional, implicam, naturalmente, o essencial - a aceitação plena, por parte dos cismáticos ( não estão em comunhão com Roma), do Concílio Vaticano II.

Bento XVI, já repetiu à saciedade dois aspectos essenciais - a FSSPX não está em comunhão com a Igreja; todas as ordenações e sacramentos realizados por bispos e padres cismáticos são ilegítimas. Bento XVI já repetiu não uma, nem duas, mas mais de três vezes, que a condição sine qua non para a reintegração na Igreja Católica é o reconhecimento do Concílio Vaticano II e da autoridade papal.
Os acontecimentos das últimas semanas fazem-nos relembrar a nossa profunda responsabilidade, enquanto católicos em comunhão, em estar atentos à perversidade e iniquidade que tenta repticiamente infiltrar-se na Igreja...
E nisso, os grandes Bispos e teólogos da Igreja de hoje, têm tido uma posição de firmeza extraordinária.

A tolerância tácita face ao nazismo católico

A tolerância tácita face ao integrismo católico neonazi nas suas versões mais radicais, como é o caso dos ultras das SFPX, não é aceitável.
Bento XVI, foi claríssimo sobre o tema, mas suas várias e repetidas intervenções.
Basta relembrar a retaliação pública do Vaticano face às afirmações do nazi Williamson e do seu silenciamento compulsivo. Basta lembrar a luta fratricida que hoje as hostes das SFPX atravessam ...
A última encíclica papal, que encheu de abençoada desilusão os aficcionados integristas, é absolutamente clara sobre a perspectiva do Papa Bento XVI face ao Concílio Vaticano II e os magistérios do Papa Paulo V e do Papa João Paulo II. Se alguma dúvida houvesse nos Rad Trads mais alienados, Bento XVI, revelou, mais um vez, de uma forma magistral, a sua incondicional admiração e uma defesa intransigente do Concílio Vaticano II, do ecumenismo, do diálogo inter-religioso e da doutrina social da Igreja, iluminada pelos ventos de progressimo católico dos anos sessenta. Nisso, Bento XVI é firme e inabalável.
O ùltimo Motu Proprio sobre lefebvrianos, que formalmente acaba com a Ecclesia Dei, coloca as discussões sobre a reintegração dos cismáticos directamente onde deve estar - sob a alçada da Santa Inquisição.
Trata-se, como refere o Papa de uma questão de dissensão doutrinária - mas, não foi assim em todos os Cismas que a Igreja Católica enfrentou?

Ubi caritas

E vale a pena relembrar aqui as palavras sapientes do Presidente da Pontifícia Academia para a Vida, D. Rino Fisichella.
"O caso na sua dramaticidade é simples. Uma menina de apenas nove anos, a quem chamaremos «Cármen», e a quem devemos olhar fixamente nos olhos, sem nos distrairmos sequer um minuto, para fazê-la entender o quanto lhe queremos bem”.
“«Cármen», em Alagoinha, foi violentada várias vezes pelo seu jovem padrasto, engravidou de dois gémeos e nunca mais teve uma vida tranquila. A ferida é profunda porque a violência destruiu-a por dentro e dificilmente lhe permitirá no futuro olhar os outros com amor”-
“Uma história de violência que, infelizmente, teria passado despercebida, pois estamos acostumados a ver todos os dias factos de uma gravidade sem igual, se não fossem as reacções causadas pela actuação do bispo. A violência sobre uma mulher é grave, e torna-se ainda mais deplorável quando perpetrada contra uma menina pobre, que vive em condições de degradação social”.
, “Em primeiro lugar, «Cármen» deveria ter sido defendida, abraçada, acariciada com doçura para fazê-la sentir que estamos todos com ela; todos, sem excepção. Antes de pensar na excomunhão, era necessário e urgente salvaguardar a sua vida inocente e recolocá-la num nível de humanidade, da qual nós homens de Igreja devemos ser anunciadores e mestres”.
Assim não foi feito e, infelizmente, a credibilidade do nosso ensinamento sofre com isso, pois aparece aos olhos de muitos como insensível, incompreensível e sem misericórdia. "

Taradice mariana

Se querem mesmo saber como a mariolatria se conjuga com alucinações new age, visitem este blogue

falsos pro-vida

è bem verdade que há uma cáfila de gente dita católica que advoga que é preferível deixar morrer uma menina de nove anos do que salvá-la, mas essa é a mesma cáfila que defende a guerra e a pena de morte.

Já agora, no caso da menina brasileira salva pela equipa médica através de um aborto terapêutico, ninguém foi excomungado - nem a menina, nem a mãe, nem os médicos.

A Igreja Católica admite o aborto

"Se, por exemplo, a salvação da vida da MULHER, independentemente de seu estado de gravidez, requerer urgentemente um aCto cirúrgico ou outra aplicação terapêutica que teria como conseqüência inevitável, a morte do feto, um tal acto não pode ser dito um directo atentado à vida inocente.
Nestas condições, a operação pode ser considerada lícita, como outras intervenções médicas similares, sempre que se trata de um bem de alto valor, isto é, a vida ( DA MULHER) e não seja possível restituí-la após o nascimento da criança, nem para utilizar outro remédio eficaz “(Pio XII, Discorso al “Fronte della Famiglia” e all’Associazione Famiglie numerose, 27 novembre 1951).

Integristas de Pio XII nazis

"Berlin - Da platzte Bundesjustizministerin Brigitte Zypries (SPD) doch der Kragen. Was die Piusbruderschaft in ihrem aktuellen Mitteilungsblatt über Homosexuelle verbreite, sei „unerträglich“, sagte die Ministerin am Donnerstag bei einer „Konferenz gegen die Verbreitung von Hass im Internet“. „Im Umgang mit solch religiösen Extremisten muss das Gleiche gelten wie im Umgang mit Rechtsextremisten“, hatte Zypries bereits am Montag gefordert. Die Piusbrüder hätten die Opfer des Nationalsozialismus beleidigt und Homosexuelle diffamiert. „Die Kirche darf nicht dulden, dass unter ihrem Dach oder auch nur in ihrem Halbschatten solche Fanatiker ihr Unwesen treiben können.“

Retirado daqui.

sexta-feira, julho 10, 2009

Bloco de Esquerda III

" hoje o desemprego provoca aspectos novos de irrelevância económica do indivíduo, e a crise actual pode apenas piorar tal situação. A exclusão do trabalho por muito tempo ou então uma prolongada dependência da assistência pública ou privada corroem a liberdade e a criatividade da pessoa e as suas relações familiares e sociais, causando enormes sofrimentos a nível psicológico e espiritual. Queria recordar a todos, sobretudo aos governantes que estão empenhados a dar um perfil renovado aos sistemas económicos e sociais do mundo, que o primeiro capital a preservar e valorizar é o homem, a pessoa, na sua integridade: « com efeito, o homem é o protagonista, o centro e o fim de toda a vida económico-social "

Bloco de Esquerda II

Os sistemas de segurança social podem perder a capacidade de desempenhar a sua função, quer nos países emergentes, quer nos desenvolvidos há mais tempo, quer naturalmente nos países pobres. Aqui, as políticas relativas ao orçamento com os seus cortes na despesa social, muitas vezes fomentados pelas próprias instituições financeiras internacionais, podem deixar os cidadãos impotentes diante de riscos antigos e novos; e tal impotência torna-se ainda maior devido à falta de protecção eficaz por parte das associações dos trabalhadores. O conjunto das mudanças sociais e económicas faz com que as organizações sindicais sintam maiores dificuldades no desempenho do seu dever de representar os interesses dos trabalhadores, inclusive pelo facto de os governos, por razões de utilidade económica, muitas vezes limitarem as liberdades sindicais ou a capacidade negociadora dos próprios sindicatos. Assim, as redes tradicionais de solidariedade encontram obstáculos cada vez maiores a superar. Por isso, o convite feito pela doutrina social da Igreja, a começar da Rerum novarum[60], para se criarem associações de trabalhadores em defesa dos seus direitos há-de ser honrado, hoje ainda mais do que ontem, dando antes de mais nada uma resposta pronta e clarividente à urgência de instaurar novas sinergias a nível internacional, sem descurar o nível local.

Contra a pena de morte

"A Igreja propõe, com vigor, esta ligação entre ética da vida e ética social, ciente de que não pode « ter sólidas bases uma sociedade que afirma valores como a dignidade da pessoa, a justiça e a paz, mas contradiz-se radicalmente aceitando e tolerando as mais diversas formas de desprezo e violação da vida humana, sobretudo se débil e marginalizada "

Ode ao Concílio Vaticano III

"pretendo prestar homenagem e honrar a memória do grande Pontífice Paulo VI, retomando os seus ensinamentos sobre o desenvolvimento humano integral e colocando-me na senda pelos mesmos traçada para os actualizar nos dias que correm. Este processo de actualização teve início com a encíclica Sollicitudo rei socialis do Servo de Deus João Paulo II, que desse modo quis comemorar a Populorum progressio no vigésimo aniversário da sua publicação. Até então, semelhante comemoração tinha-se reservado apenas para a Rerum novarum. Passados outros vinte anos, exprimo a minha convicção de que a Populorum progressio merece ser considerada como « a Rerum novarum da época contemporânea », que ilumina o caminho da humanidade em vias de unificação.
(...) Desejo, também eu, lembrar aqui a importância que o Concílio Vaticano II teve na encíclica de Paulo VI e em todo o sucessivo magistério social dos Sumos Pontífices. O Concílio aprofundou aquilo que desde sempre pertence à verdade da fé, ou seja, que a Igreja, estando ao serviço de Deus, serve o mundo em termos de amor e verdade.
(...) A ligação entre a Populorum progressio e o Concílio Vaticano II não representa um corte entre o magistério social de Paulo VI e o dos Pontífices seus predecessores, visto que o Concílio constitui um aprofundamento de tal magistério na continuidade da vida da Igreja. Neste sentido, não ajudam à clareza certas subdivisões abstractas da doutrina social da Igreja, que aplicam ao ensinamento social pontifício categorias que lhe são alheias. Não existem duas tipologias de doutrina social — uma pré-conciliar e outra pós-conciliar —, diversas entre si, mas um único ensinamento, coerente e simultaneamente sempre novo.
(...) Coerência não significa reclusão num sistema, mas sobretudo fidelidade dinâmica a uma luz recebida. A doutrina social da Igreja ilumina, com uma luz imutável, os problemas novos que vão aparecendo. Isto salvaguarda o carácter quer permanente quer histórico deste « património » doutrinal o qual, com as suas características específicas, faz parte da Tradição sempre viva da Igreja. "
Boston Legal é minha actual série preferida. Lembrei-me disto ao ler este excelente post.

quinta-feira, julho 09, 2009

Bloco de esquerda

"Cresce a riqueza mundial em termos absolutos, mas aumentam as desigualdades. Nos países ricos, novas categorias sociais empobrecem e nascem novas pobrezas. Em áreas mais pobres, alguns grupos gozam duma espécie de superdesenvolvimento dissipador e consumista que contrasta, de modo inadmissível, com perduráveis situações de miséria desumanizadora. Continua « o escândalo de desproporções revoltantes. Infelizmente a corrupção e a ilegalidade estão presentes tanto no comportamento de sujeitos económicos e políticos dos países ricos, antigos e novos, como nos próprios países pobres. No número de quantos não respeitam os direitos humanos dos trabalhadores, contam-se às vezes grandes empresas transnacionais e também grupos de produção local. As ajudas internacionais foram muitas vezes desviadas das suas finalidades, por irresponsabilidades que se escondem tanto na cadeia dos sujeitos doadores como na dos beneficiários. Também no âmbito das causas imateriais ou culturais do desenvolvimento e do subdesenvolvimento podemos encontrar a mesma articulação de responsabilidades: existem formas excessivas de protecção do conhecimento por parte dos países ricos, através duma utilização demasiado rígida do direito de propriedade intelectual, especialmente no campo sanitário; ao mesmo tempo, em alguns países pobres, persistem modelos culturais e normas sociais de comportamento que retardam o processo de desenvolvimento."

A montanha pariu um rato

Que esperavam um motu prório extraordinário, que tinham a certeza que iriam ter uma prelatura pessoal e coisa e tal. Que ia sair em 19 de junho, depois em julho. Que ia ser fantástico. Que o papa nunca lhes iria exigir a aceitação plena do CVII como condição para sairem do cisma. Que podiam continuar impunemente vomitar ódio e impropérios contra a Santa Missa, contra padres e bispos, a ordenar ilegitimamente e contra o aval do vaticano e mesmo assim ter a benção papal.... Pobres destroços em pânico...
Pois sim.
Basta ler....
Coitados bem precisam de encontrar o caminho de volta porque andam bem longe...
ora cá está a grande novidade...

quarta-feira, julho 08, 2009

The SSPX is not Catholic

After the death of pop star Michael Jackson recently a young German screamed into the microphone, you have lost your God. Is this symptomatic of errors and confusion?
Kasper: I have nothing against Michael Jackson, but the evidence already speaks of a lack of orientation, roots and stability. Here the Church has the great task to convey the richness of faith. A new catechesis is necessary, the present situation cannot go on.
The SSPX, which is currently on everyone's lips justifies its action as emergency actions against the withering of the Faith. Is this overdone?
Kasper: The analysis of the symptoms of deficiency I can still share, even though I do not look on things as black as the SSPX do. But I cannot ever think that a group wishes to renew the Church by disobedience. You have just to read what some SSPX members have said about John Paul II, on the current pope, including about me. You will find incredible things.
Are the leading members of the SSPX unashamed?
Kasper: From their attitude a renewal of the church is not possible. The SSPX is not Catholic. It cannot be that individuals determine what is Catholic doctrine. The SSPX follows basically a Protestant principle. You attack the teaching office of the Magisterium and want to bindingly say what belongs to ecclesiastical tradition and what does not.
Are they hopeless cases?
Kasper: In any case, they do not represent a great danger for the church. You should enter into discussion with them in order to obtain unity. But the SSPX should reconsider after the generous gesture of the Pope. I see, however, up to now no sign of reflection among them. The Catholic Church no understanding of tradition which is, like the SSPX, frozen in the time before the council. We are a vibrant church. "

Excelente entrevista - aqui.

Quem não é feminista não é católico

terça-feira, julho 07, 2009

O sangue dos homens e das mulheres

Alguns defendem a morte de pessoas como um direito do Estado à "legítima defesa".
As chacinas de ontem na China como da semana passada no Irão, assentam neste pressuposto. A legítima defesa do Estado ou da sociedade contra "criminosos".
Sabemos onde esse conceito levou, ao longo da história. Desde Auchwitz, passando pelos Gulags ,até guantanamo, desde as chacinas religiosas medievas em nome da cristandade, passando pelos corredores da morte onde milhares esperam e execução anunciada.
Mas a voz dos católicos não pode ser essa.
Um católico não pode, em verdade, defender a pena de morte de uma pessoa humana. Nunca, em qualquer circunstância. Nem pode defender a guerra, ainda que eufemisticamente lhe chame de guerra justa, nem clamar cruzadas contra infiéis ou pretensos hereges.
São estas as palavras do papa e era bom que ouvissem este grito lancinante contra a violência, a guerra, o ódio religioso e a pena de morte.