quinta-feira, dezembro 29, 2011

quarta-feira, dezembro 28, 2011

Direitos das mulheres - uma luta que não termina nunca

Enquanto na Síria, milícias ao serviço de poder islãmico torturam, violam  e fazem testes de virgindade forçados ás jovens mulheres que protestam na rua,  em Israel  judeus ortodoxos insultaram e espancaram crianças por causa de vestuário impróprio que incita ao deboche e violação. O facto de uma das vítimas ser uma criança de oito anos não demoveu os fanáticos.
Milhares de israelitas manifestaram-se ontem contra a segregação de mulheres por judeus ultraortodoxos em Beit Shemesh, cidade ao oeste de Jerusalém. Lia-se em um cartaz: “Beit Shemesh não será um novo Teerão”.
O fundamentalismo religioso, qualquer que seja (incluindo o integrismo católico) tem um ódio profundo contra as mulheres -  os direitos adquiridos que julgamos definitivos podem ser varridos por estes bandos de fanáticos.
A boa notícia é que as mulheres e a sociedade civilizada em geral tendem a lutar por estes direitos e a não aceitar passivamente um voltar ao passado

terça-feira, dezembro 27, 2011

Casa dos segredos - Quadras natalícias

Enquanto o país se afunda no abismo coelhónico sob a batuta de um gasparzinho lentificado, a populaça em geral, delicia-se com a casa do segredo, um programa recordista de audiências.
A figura mais carismática e provável ganhadora deste prostíbulo mediático é uma ex (???) - prostituta  estrábica, com um QI digno de uma abóbora, que chupa no dedo, tem enurese nocturna  e  tenta a todo o custo ser comida por outros concorrentee -  incluindo um jovem pasteleiro devidamente musculado e tatuado. Os pais e mães destas criaturas, em plena noite de  natal vão á televisão dizer do seu orgulho maternal por tão vistosas ninfetas que fazem sexo em público para uns milhões de voyeurs. 
Ò orgulho maternal, ó vã cobiça, ó vómito fraterno da cloaca que tudo vende, até a dignidade mais básica das pessoas, sob as bençãos de santa teresa.

Crónicas natalícias

O homem escreve um texto técnico do computador aflitamente, com várias gralhas. O word assinala os erros automaticamente e o homem corrige-os ao longo das frases, volta atrás, hesita, rumina vogais. Não gosta de escrever textos, prefere cálculos contabilísticos, navega à vontade no Exel, SPSS ficheiros numéricos, estatísticas. Tudo menos palavras mais ou menos pesadas que de vez em quando tem de escrever em relatórios técnicos. O escritório está seco, ainda ontem foi natal, uma garrafa de água de litro e meio filtra a poalha que circunda dossiers antigos. O homem está sozinho com uma música da Radio-80 e bate as teclas de forma sincopada enquanto atende telemóveis alternativos.As orelhas pequenas equilibram um rosto roliço de ruivo antigo. Na gaveta de cima o homem guarda o gel lubrificante que comprou à tarde na sex-shop da esquina: è um gel avermelhado, um frasco em forma fálica que promete sensação de calor."Multiplique as sensações com Durex Play Lubrificante Íntimo efeito calor. Confirme como incrementa a sua sensibilidade e desfrute de uma agradável sensação de calor que aumenta com um sopro sobre a pele". O homem abre a gaveta, relê o rótulo, suspira e repara que cometeu mais três erros.
Hesita e entreabre a porta do escritório. No Hall com efeito de estufa pendem ociosas ramadas de hera num efeito lúgrube de selva artificial.
Sem um sopro de calor sobre a pele o homem regressa ao ofício de escrivão, na secreta esperança que o natal finalmente chegue hoje.
"Tinha, como direi, eu, que sou uma senhora a seu modo pacata e até pudica, uma, ou melhor, um derrière esplendido. Não é preciso ser homem pra essas avaliações. Firme em definidos e perfeitos contornos, rebelde ao disfarce das saias e anáguas daquele tempo, inscrevia-se na cara de sua dona, que, movendo os olhos como as ancas, subia a rua em falsa pudicicia, apregoando-se: tenho.
Os homens ficavam loucos. Eu era mocinha boba e escutei no armazém do Calixto ele dizer pro Teodoro, meu futuro marido, naquele tempo preocupado em fazer bodoques de goma: eh, ferro! O Vicente não vai dar conta daquela ali, não. É preciso muita saúde. Calixto falava com o Teodoro do que eu suspeitava serem os tesouros da Oldalisa e ela nem aí, toda toda, sobe e desce rua. Exatamente o que era me escapava, só podia ser coisa de homem e mulher. Felicitei-me por estar viva e participar de segredos tão  excitantes. O Vicente era muito magrinho, não jogava bola, não nadava, "não salientava em nada", o Vicente Cisquim. Pois foi dele que a Raimunda — como o Calixto chamou ela naquele dia — gostou.  Casaram e tiveram pencas de filhos. O Calixto ficou chupando o dedo. Ser bonitão e dono de armazém não contou ponto pra ele. "

Adélia Prado

Dezembro ainda

Ao sair de casa o cheiro da infãncia apanhou-me completamente desprevenida.
Os dias gelados de sol de absinto em tudo iguais, o odor a bolos acabados de fazer.

sexta-feira, dezembro 23, 2011

Did women have a role in the Council of Trent? No, it's not a typographical error - the Council of Trent, that ecclesiastical event (1545-1563) whose 450th anniversary will be celebrated in 2013. The answer is no. But from Trent onwards, women began to be affected: for years there was talk of forced monastic conversions, and especially of the many founders of female congregations that still exist today and play an important role in bringing the Church closer to daily life. This makes it possible to "reread even the Council of Trent in light of gender," especially due to two aspects (at least) arising directly from Trent that are still in effect today, as is explained in this anthology volume collecting the contributions of a 2009 convention.The first is the barring of women from the holy orders. The ordination of women is impossible because access to the priesthood carries a superiority over others that women cannot assume, since they are inferior to men. That was the argument of the Dominican Domingo de Soto, made at the time of the Council. The Council, in fact, does not speak of any role for women, and its documents speak only of "men." It simply wasn't part of the mentality of that age, and the ban on women in the holy orders arises from this period.
Vatican II carried a review of language and the priesthood, but the treatise of Trent very much influences both the collective imagination and theological doctrine.
The second aspect is liturgical reform, which has engendered much nostalgia for the Tridentine mass and the use of Latin. For those who feel this nostalgia, the Council of Trent is seen as continuous with tradition, which was broken by Vatican II with its liturgical reforms and ecumenical and interreligious dialogue. In reality, as demonstrated by lay theologian Andrea Grillo, Vatican II did the same job as Trent (though using more cryptic language): to renew language and style while at the same time assuring continuity. Where is the error? In those who cannot see that there is sacred action, reserved to the clergy, and another, ritual action, which puts the Church and the announcement of Christ at its center. As Paul VI said in 1965, Vatican II and liturgical reform brought "a new spiritual pedagogy," or different modalities for content that is consistent with tradition. The journey toward a new language is not without danger - this has always been a fundamental problem for the Church, intensified today because of the plasticity of language. We strive to understand what the Californian cognitivists of Palo Alto have known for the past 60 years: we are immersed in communication, which shapes every action and behavior. To succeed in making this a positive skill is a challenge for the Church (as it is for everyone), in the realm of symbols and in terms of explanation of the Gospel. It is an immense task.

Natal

Estava preso e visitaste-me

sexta-feira, dezembro 16, 2011

E no entanto move-se

Le réseau « séparés-divorcés-remariés » de la Mission de France a rendu public jeudi 15 décembre un long dossier sur les divorcés-remariés. fruit de l’analyse de 25 récits de personnes séparées, divorcées ou divorcées-remariées, il a vocation « à ouvrir des chemins de vie pour les personnes séparées, divorcées ou remariées ainsi que pour les personnes qui les accompagnent »

E no entanto move-se

Após uma pena de excomunhão abusivamente decretada por um bispo local, a freira católica gestora que apoiou a realização de um aborto terapêutico  num hospital católico foi perdoada pelo Vaticano e regressou às suas funções normais .
A situação de excomunhão foi dramaticamente repulsiva , visto que a freira em causa outra coisa não podia fazer a não ser autorizar um aborto terapêutico para salvar a vida da mulher, sob pena de cometer homicídio por negligência.
Para o Bispo local,  equipa médica devia ter deixado a mulher morrer conjuntamente com o embrião, porque se dizem a favor da vida.  A propóstito desta anormlidade vale a pena ler este artigo:
A boa notícia é que o Vaticano desautorizou o Bispo local, a excomunhão foi levantada, a freira voltou às suas funções no hospital católico onde trabalhava e que isso é uma prova que os fundamentalistas católicos,que preferem o homicídio ás escolhas pela vida nem sempre vencem.

sábado, dezembro 10, 2011

A paz das mulheres

Três mulheres foram galardoadas com o Prémio Nobel da Paz.
Vale a pena escutar as palavras destas mulheres extraordinárias.

"The Nobel Committee cannot license us three Laureates to speak for women. But it has provided us a platform from which to speak to women, around the globe, whatever their nationality, their color, their religion, or their station in life. It is you, my sisters, and especially those who have seen the devastation that merciless violence can bring, to whom I dedicate my remarks, and this Prize.

Although international tribunals have correctly declared that rape, used as a weapon of war, is a crime against humanity, rapes in times of lawlessness continue unabated. The number of our sisters and daughters of all ages brutally defiled over the past two decades staggers the imagination, and the number of lives devastated by such evil defies comprehension.
Trough the mutilation of our bodies and the destruction of our ambitions, women and girls have disproportionately paid the price of domestic and international armed conflict. We have paid in the currencies of blood, of tears, and of dignity.
However, the need to defend the rights of women is not limited to the battlefield, and the threats to those rights do not emanate only from armed violence. Girls’ education, seen far too often as an unnecessary indulgence rather than the key investment it is, is still under-funded and under-staffed. Too often girls are discouraged from pursuing an academic training, no matter how promising they may be. As we celebrate today, we are mindful of the enormous challenges we still face. In too many parts of the world, crimes against women are still under-reported, and the laws protecting women are under-enforced. In this 21st century, surely there is no place for human trafficking that victimizes almost a million people, mostly girls and women, each year. Surely there is no place for girls and women to be beaten and abused. Surely there is no place for a continuing belief that leadership qualities belong to only one gender.


Yet, there is occasion for optimism and hope. There are good signs of progress and change. Around the world, slowly, international law and an awareness of human rights are illuminating dark corners, in schools, in courts, in the marketplace. The windows of closed chambers where men and women have been unspeakably abused are being opened, and the light is coming in. Democracies, even if tentatively, are taking root in lands unaccustomed to freedom"

quinta-feira, novembro 03, 2011

Censura religiosa versus liberdade criativa

Num país livre e democrático a questão de haver censura de produções culturais por motivações religiosas não se coloca. Seria um retrocesso absurdo de direitos humanos fundamentais. De resto, considerando que as "sensibilidades religiosas" são múltiplas e tendem a ser extremistas , ou, no mínimo, irracionais, as "leis da blasfémia" ou a simples censura por motivações religiosas, conduziriam na prática à mais atroz ditadura teocrática.

Filigrana

O meu coração é um ninho perfeito, uma espécie de gaiola sem grades onde se albergam unicórnios. Por isso me pesa tanto ás vezes o coração - os unicórnios vivem mal em gaiolas, mesmo as que não têm grades.

Credo

Creio no sangue das mulheres, na evidência da beleza, nos jardins de lilases, na vidraça óbvia dos azuis celestes. Creio na paixão dos pássaros, na gentileza das mães, creio na vida alva das estrelas, nos poetas que se desfazem em letras à secretária, no nacarado das unhas das meninas.
Creio na carne, transfigurada do amor, nas pérolas acetinadas dos velhos, no zumbido dos insectos antes da noite, creio na vida que há-de vir, no silêncio inevitàvel, nas hastes de luz penduradas ao acaso.
Creio na inquietude  dos plátanos, na alegria caótica,   na pele que se expõe à água, na ingenuidade dos seios, creio no ressuscitado amor que há-de resgatar os vivos e os mortos.

Velejar

Recupero a visão do mar, uma floresta de mastros na marina, o navio esbranquiçado a saír do porto, o bater de asas das velas, este aperto no coração é apenas o rasgar das águas contra a quina, ventos longos, o borbulhar da água ,  os sons metálicos de espanta-espíritos na manhã.

Dia de todos os santos/ dia de todos os poetas

A missão dos poetas ( ou dos santos) é adentrarmo-nos. Penetrar nas coisas todas até não haver raízes nem fronteiras, até a pele estalar no todo que somos e vivemos, para ser todo sê inteiro escrevinhou Pessoa na sua lucidez etílica, mais não buscar que isto, a inteireza aguda do mundo todo dentro de um corpo. Tomai e comei, este é o meu corpo,  neste narcisismo integrador há uma generosidade extraordinária, ou seja, quanto mais íntimo e egocêntrico o poeta é, quanto mais fundas as feridas expostas, as flatulências emocionais, os tremores onanistas mais universal é a sua escrita.
Buscar o suspiro das coisas todas é o labor interminável do poeta.
Adentrar-se em si mesmo como um cego acordado.

A tristeza do dias de hoje

"Terry Jones confessou que nos dias de hoje não faria o filme «A Vida de Brian» que realizou e que protagonizou juntamente com os outros Monty Python. O tema «religião» é o motivo para esta actualização de vontade em relação ao filme de 1979 que satiriza a vida de Cristo.

O actor e realizador inglês referiu, em entrevista à «Radio Times» citada pela «Folha de São Paulo» que, apesar da poémica na altura a sensação de quem fez o filme foi de «bater num macaco morto». «Agora, a religião voltou com força e pensaríamos duas vezes antes de fazer o filme num momento assim», assumiu.E fazer um filme do género com a religião muçulmana como tema também não entusiasma Jones: «Provavelmente não.» «Olhe o que aconteceu com Salman Rushdie», disse com referência aos 10 anos de clandestinidade que o escritor teve de viver por causa de «Os Versículos Satânicos».
A Vida de Brian é um filme brilhante.

quarta-feira, novembro 02, 2011

A Defesa da Família e tal , tá a vêr?

As medidas do actual governo em particular com o OE de 2012 traduzem-se no maior ataque concertado às famílias portuguesas de que há memória nos últimos 50 anos.
Todos sabemos que em 2012 o número de abortos, de infanticídios e de vítimas de violência doméstica vão aumentar exponencialmente devido em grande parte aos cortes das prestações sociais,  à intensa crise económica, ao desemprego e recessão. Todos sabemos que a natalidade vai baixar ainda mais e que os idosos e pessoas vulneráveis vão ser dramticamente expostos, sem a protecção social que lhes vai ser retirada.
Todos sabemos isto.Estranha-se pois o silêncio ensurdecedor das associações portuguesas que dizem ser defensoras da vida  e das famílias. Talvez porque nunca o foram verdadeiramente .

Não , não é o Bispo Edir Macedo, mas é igualzinho

"Chacune de nos activités, chacun de nos engagements a un coût financier qui limite nécessairement nos capacités. Pour nous aider à étendre notre influence, pour multiplier nos actions, nous avons besoin de votre soutien financier (déductible de vos impôts).

Vous ne pouvez nous donner un peu de votre temps ? Donnez-nous un peu de votre argent !"

Les bons esprits se rencontrent

Fundamentalistas islâmicos e católicos (basicamente integristas lefebvrianos) manifestaram-se em Paris contra a liberdade de expressão cultural. Uns e outros defendem um Estado confessional em que as leis contra a blasfémia possam ser implementadas. Em boa verdade foram mais os islãmicos que os cristãos quem esteve presente na manif de 1500 pessoas, se descontramos os habituais representantes de movimentos de extrema-direita, particularmente o  Groupe Union Défense (GUD) com motivações mais políticas que religiosas. A intensa "campanha antiblasfêmia " foi aparentemente  da iniciativa de um "instituto tradicinalista ligado aos lefebvrianos.
De resto esta manifestação integra-se num certo clima de crispação religiosa em França contra a liberdade de expressão, que culminou recentemente com um incêndio criminoso da sede de um jornal satírico que ousou  fazer cartoons a propósito da Sharia.

A Conferência Episcopal Francesa demarcou-se claramente destas manifestações de fundamentalismo ecuménico .
Unidos no mesmo ódio contra a liberdade de expressão.

Musulmans contre la christianophobie

Domingo descobri que Deus é triste


pela semana afora e além do tempo.
A solidão de Deus é incomparável.

... Deus não está diante de Deus.

Está sempre em si mesmo e cobre tudo

tristinfinitamente.


A tristeza de Deus é como Deus: eterna.
Deus criou triste.
Outra fonte não tem a tristeza do homem.



Carlos Drummond de Andrade, in 'As Impurezas do Branco'

sexta-feira, outubro 28, 2011

Da pace

"Procuremos identificar, mais de perto, as novas fisionomias da violência e da discórdia. Em grandes linhas, parece-me que é possível individuar duas tipologias diferentes de novas formas de violência, que são diametralmente opostas na sua motivação e, nos particulares, manifestam muitas variantes. Primeiramente temos o terrorismo, no qual, em vez de uma grande guerra, realizam-se ataques bem definidos que devem atingir pontos importantes do adversário, de modo destrutivo e sem nenhuma preocupação pelas vidas humanas inocentes, que acabam cruelmente ceifadas ou mutiladas. Aos olhos dos responsáveis, a grande causa da danificação do inimigo justifica qualquer forma de crueldade. É posto de lado tudo aquilo que era comummente reconhecido e sancionado como limite à violência no direito internacional. Sabemos que, frequentemente, o terrorismo tem uma motivação religiosa e que precisamente o carácter religioso dos ataques serve como justificação para esta crueldade monstruosa, que crê poder anular as regras do direito por causa do «bem» pretendido. Aqui a religião não está ao serviço da paz, mas da justificação da violência.

A crítica da religião, a partir do Iluminismo, alegou repetidamente que a religião seria causa de violência e assim fomentou a hostilidade contra as religiões. Que, no caso em questão, a religião motive de facto a violência é algo que, enquanto pessoas religiosas, nos deve preocupar profundamente. De modo mais subtil mas sempre cruel, vemos a religião como causa de violência também nas situações onde esta é exercida por defensores de uma religião contra os outros. O que os representantes das religiões congregados no ano 1986, em Assis, pretenderam dizer – e nós o repetimos com vigor e grande firmeza – era que esta não é a verdadeira natureza da religião. Ao contrário, é a sua deturpação e contribui para a sua destruição. Contra isso, objecta-se: Mas donde deduzis qual seja a verdadeira natureza da religião? A vossa pretensão por acaso não deriva do facto que se apagou entre vós a força da religião? E outros objectarão: Mas existe verdadeiramente uma natureza comum da religião, que se exprima em todas as religiões e, por conseguinte, seja válida para todas? Devemos enfrentar estas questões, se quisermos contrastar de modo realista e credível o recurso à violência por motivos religiosos. Aqui situa-se uma tarefa fundamental do diálogo inter-religioso, uma tarefa que deve ser novamente sublinhada por este encontro. Como cristão, quero dizer, neste momento: É verdade, na história, também se recorreu à violência em nome da fé cristã. Reconhecemo-lo, cheios de vergonha. Mas, sem sombra de dúvida, tratou-se de um uso abusivo da fé cristã, em contraste evidente com a sua verdadeira natureza.
O Deus em quem nós, cristãos, acreditamos é o Criador e Pai de todos os homens, a partir do qual todas as pessoas são irmãos e irmãs entre si e constituem uma única família. A Cruz de Cristo é, para nós, o sinal daquele Deus que, no lugar da violência, coloca o sofrer com o outro e o amar com o outro. O seu nome é «Deus do amor e da paz» (2 Cor 13,11). É tarefa de todos aqueles que possuem alguma responsabilidade pela fé cristã, purificar continuamente a religião dos cristãos a partir do seu centro interior, para que – apesar da fraqueza do homem – seja verdadeiramente instrumento da paz de Deus no mundo".

Bento XVI Encontro de Assis 2011

Sim. Jesus era Judeu

Nascido na Galileia há mais de 2 mil anos, Jesus de Nazaré foi, sem margem para dúvidas, um judeu. As escrituras cristãs confirmam a cada passo que Cristo – Yeshua ben Yosef, de seu nome hebraico – seguiu à risca as tradições e mandamentos do judaísmo ortodoxo. Mesmo assim, durante séculos, numa tácita aliança de silêncios, cristãos e judeus recusaram reconhecer as raízes judaicas do pregador da Galileia, a quem chamaram rabino, e que acabaria por tornar-se uma das mais influentes e emblemáticas figuras da História humana.

Abandonado, e mesmo combatido, pela Igreja Cristã (tanto católica como protestante) durante séculos, o judaísmo de Jesus, e o seu enquadramento contextual, só começou a ser explorado recentemente.

Esta corrente, nascida na recta final do século XIX, assumiu novas proporções nos finais do século XX, quando a busca do “Jesus Histórico” e das raízes hebraicas de Cristo começou a fascinar teólogos e historiadores cristãos e judeus. Arredados já do cíclico antisemitismo que levara os cristãos durante séculos a negarem o judaísmo de Jesus, estes redescobriam agora o Messias cristão no seu contexto histórico, étnico e religioso.


O judaísmo de Jesus foi, até 1900, praticamente posto de parte também pelos pensadores judeus, em grande medida como reacção às perseguições que o cristianismo encetara contra os hebreus. Recorde-se que até ao Concílio Vaticano II, em 1965, a própria Igreja Católica acusava os judeus de terem morto Cristo – uma acusação que não só negava a verdade histórica, desculpabilizando o papel do governador romano Pôncio Pilatos enquanto executor máximos da pena (ver Who is Responsible for Jesus’ Execution), como também escondia o facto de Jesus ser, ele próprio, um judeu. Esse era um facto histórico inescapável, mas mesmo assim rodeado de uma polémica apenas explicável por um antisemitismo latente.

“Muitos cristãos continuavam a recusar aceitar o facto de que Jesus era judeu, afirmando a pés juntos que ele era ‘cristão’. Mas um cristão, por definição, é um seguidor de Cristo. Se assim fosse, Jesus seria um seguidor de si próprio, o equivalente de um cão que persegue a sua própria cauda”, comenta o teólogo cristão Jonathan Went, um estudioso das raízes judaicas de Jesus.

Contando com as poucas referências talmúdicas, as fontes históricas judaicas sobre Jesus restringem-se a breves passagens de fragmentos deixados por historiadores hebreus, o mais famoso dos quais o Testimonium Flavianum, escrito por Flavius Josephus, que viveu entre os ano 37 e 100 da era comum.

Agora, quase dois mil anos passados sobre o seu desaparecimento, aos poucos, rabinos e pensadores humanistas judeus começaram a reclamar Jesus enquanto figura histórica intimamente ligada ao judaísmo.

Na década de 90, foram editados vários livros que abordavam uma visão judaica de Jesus, o mais significativo dos quais lançado em finais de 2001 nos Estados Unidos sob o título “Jesus Through Jewish Eyes: Rabbis and Scholars Engage an Ancient Brother in a New Conversation”.

Na verdade, os relatos das escrituras cristãs apontam para o facto de Jesus ter cumprido escrupulosamente todos os preceitos da religião judaica. Os Evangelhos do Novo Testamento bíblico contam que Jesus foi circuncisado oito dias após ter nascido (Lucas, 2:21), segundo regem as leis judaicas; ainda bebé foi apresentado no Templo em Jerusalém (Lucas, 2:22), de acordo com o que mandava a tradição, e foi educado na Lei de Moisés (Lucas 2, 39 a 42). A Bíblia cristã confirma ainda que ele, como todas as crianças judias, começou a aprender a Torá – a Bíblia hebraica – aos seis anos e aos 12 anos no Templo “ouvia e interrogava” os rabinos (Lucas 2:46). Mais tarde, os evangelistas relatam que Jesus celebrava os festivais judaicos (Páscoa, Tabernáculos e Hanuká) além de guardar todos os sábados como dias santos. Ao mesmo tempo, envergou tzit-tzit e tefilin, adereços litúrgicos ainda hoje usados pelos judeus ortodoxos. Mesmo assim, perante este verdadeiro mar de referências bíblicas ao judaísmo de Jesus, este continuou a ser ignorado através das gerações.

No livro “Rabbi Jesus: An Intimate Biography”, o teólogo e historiador anglicano Bruce Chilton traça um perfil do Messias cristão fortemente enraizado no judaísmo. Para Chilton, Jesus foi indubitavelmente um rabino, reconhecido como tal na Galileia, e “os seus ensinamentos tornavam-no em tudo semelhante a outros rabinos galileus, conhecidos como chasidim. (…) Os chasidim eram curandeiros que curavam os doentes e aliviavam a seca através da oração, e Jesus juntou-se às suas fileiras”.

Numa visão amplamente partilhada por vários teólogos judaicos contemporâneos – entre eles Z’ev ben Shimon Halevi – , o padre Bruce Chilton vê ainda em Jesus um discípulo dos mestres da Cabalá, uma palavra hebraica que literalmente significa “tradição recebida” e que traduz o misticismo judaico. As influências cabalísticas nos ensinamentos de Jesus são notórias. A mais evidente de todas é a chamada “regra de ouro do judaísmo”, ensinada pelo rabino Hillel, que viveu em Jerusalém cerca de 200 anos antes de Jesus. Conta o Talmude que um viajante pouco familiarizado com os judeus pediu ao rabino Hillel que numa frase lhe explicasse a essência do judaísmo. O rabino olhou-o por instantes e respondeu sem hesitar: “Ama o próximo como a ti mesmo. Agora vai e pratica o que aprendeste.” A mesma máxima, repetida posteriormente por Jesus, pode ser encontrada na Bíblia hebraica, no livro de Levítico.

A grande separação das águas, no entanto, acontece quando teólogos judeus e cristãos são forçados a debater o papel de Jesus enquanto Messias. Para os judeus, o Nazareno é um rabino que seguiu a senda de outros nomes grados da história do judaísmo, mas que nunca quis formar uma religião à parte – mas sim reformar por dentro, levando os judeus do seu tempo a repensarem a sua relação com Deus. Na verdade, a separação entre o judaísmo e os seguidores de Jesus acontece posteriormente, quando Saulo de Tarso (São Paulo) transforma em religião distinta o que até então era apenas uma seita judaica.

Apesar da existência de movimentos messiânicos , onde judeus assumem a sua crença em Jesus enquanto messias, a questão da divindade de Cristo assume-se como a barreira inexpugnável entre as duas visões.

Mas o judaísmo de Jesus não é apenas um tema de debate teológico. A essência transbordou também para a literatura. Em “Ulisses”, James Joyce coloca o seu personagem principal, o judeu irlandês Leopold Bloom, em confronto com um antisemita cristão nas ruas de Dublin. Nesta parábola carregada de simbolismo, o antisemita, tal como o ciclope enfrentado por Ulisses, tem apenas um olho. Às invectivas, Bloom responde perante a ira incontida do seu interlocutor: “Mendelssohn era judeu, como Karl Marx e Mercadante e Spinoza. E o Salvador era judeu e o seu pai era judeu. O teu Deus era judeu. Cristo era judeu, como eu.”

Um dos primeiros teólogos judaicos a abraçar o judaísmo de Jesus foi o rabino americano Stephen S. Wise, que num artigo intitulado “The Life and Teaching of Jesus the Jew”, datado de Junho de 1913, escreveu: “Nem protestos cristãos nem lamentações judaicas podem anular o facto de que Jesus era judeu, um hebreu dos hebreus.”

terça-feira, outubro 25, 2011

revolução no vaticano

Y es que, Roma pide, entre otras cosas (como pueden leer aquí), que se cree un banco central con "horizonte planetario', desautoriza por completo al FMI y hasta se suma a la petición de la tasa Tobin, santo y seña de todos los verdes, progres y antisistema que en el mundo han sido.


Da gusto leer que, en vísperas del G-20, el Vaticano, además de las medidas comentadas, pide que se implemente un impuesto a las transacciones financieras.
Siempre se dijo, en un latiguillo recurrente, que Juan Pablo II era un Papa cosnervador en lo moral y avanzado en lo social. Pues, al parecer, en Roma y de la mano de Benedicto XVI, el Papa anciano y sabio, siguen soplando los mismos vientos de apertura social. Casi revolucionaria.

Como no tempo das catacumbas

Mulheres ordenadas celebram.

quinta-feira, outubro 20, 2011

Lugares de desesperança

Pelos frutos se conhece a árvore

Lugares de esperança

Bento XVI anunciará brevemente que o Bispo Diocesano de Regensburg, Alemanha, Dom Gerhard Ludwig Müller, ficará á frente da  Congregação para a Doutrina da Fé. Conhecido pela sua falta de paciência para com os cismáticos integristas e com a sua proximidade com a Teologia da Libertação, a sua nomeação está provocar crises de histeria antecipatória nos meios radtrads.
A seguir com esperança...

European rabbis call on Vatican to stop talks with Williamson's group

"the president of the Conference of European Rabbis, Rabbi Pinchas Goldschmidt called on Pope Benedict XVI to halt the Vatican talks with "extremist" Catholic groups such as the SSPX.
"Comments like these take us back decades to the dark days before there was a meaningful and mutually respectful dialogue between Jews and Roman Catholics,” the CER president, who is chief rabbi of Moscow, declared, adding: "There must be no rapprochement within the Catholic Church for those of its flock who seek to preach words of hate."
He pointed out that Williamson was not the only one in the brotherhood who accuses Jews of deicide. Last month, another senior SSPX cleric, Abbot Régis de Cacqueray, the superior of the French Province of the Pius Brotherhood, also accused Jews of killing God's son. “Pope Benedict has shown a commitment to fostering a spirit of positive dialogue with Jews both before and during his papacy. But he must clearly show that there is no room in the Catholic Church for purveyors of hate."

terça-feira, outubro 18, 2011

A Bússola

"Sinto hoje ainda mais intensamente o dever de indicar o Concílio como a grande graça de que beneficiou a Igreja no século XX: nele se encontra uma bússola segura para nos orientar no caminho do século que começa. Quero aqui repetir com veemência as palavras que disse a propósito do Concílio poucos meses depois da minha eleição para Sucessor de Pedro: «Se o lermos e recebermos guiados por uma justa hermenêutica, o Concílio pode ser e tornar-se cada vez mais uma grande força para a renovação sempre necessária da Igreja».

 MOTU PROPRIOPORTA FIDEI
BENTO XVI

segunda-feira, outubro 17, 2011

Assis

A 14 de maio de 2009  o papa Bento XVI rezou pela paz em Nazaré,  de mãos dadas com um rabino e um imame da Galiléia, enquanto outro rabino entoava o "Salam, Shalom", paz em árabe e em hebraico.
A oração comum foi feita no auditório do Santuário da Anunciação, em Nazaré, onde o papa manteve um encontro com representantes cristãos, muçulmanos, judeus, drusos e de outras religiões.
Em 17 de Setembro de 2010, em Londres , Bento XVI tornou-se o primeiro papa a visitar  a Abadia de Westminster, onde rezou um culto ecumênico juntamente com o arcebispo de Canterbury.
 Dia 27  que lugar o quarto Encontro de Assis, que é aguardado com grande expectativa, até porque passam 25 anos sobre o que se realizou em 1986.



"O anúncio de Bento XV foi feito durante a recitação do Angelus do dia mundial da paz deste ano. O papa Ratzinger falou com palavras de esperança, depois dos atentados no Egipto contra algumas igrejas cristãs. Surpreendendo tudo e todos anunciou o 4.º encontro inter-religioso de Assis que representará certamente a melhor resposta e a atitude peremptória mais adequada à intolerância, ao radicalismo religioso, à violência, às perseguições religiosas que ultimamente se têm registado contra os cristãos. Ratzinger retomava a ideia do papa Wojtyla, mostrando sentir a urgência do diálogo ecuménico e inter-religioso como ainda recentemente sucedeu na sua viagem à Alemanha."


O padre Piemontese, superior do convento franciscano de Assis, comentou o anúncio do próximo encontro como um relançamento, numa hora tão dramática, da vontade de paz e de tolerância que desta cidade se ergueu no passado como um grito forte e que viu reunidos, numa única oração, cristãos e homens de fé pertencentes a todas as religiões do mundo.

Em Assis, estão postos os olhares de quem acredita no diálogo. Porque, como disse Piemontese, a cidade incarna a profecia da paz e a Basílica local é reconhecida como altar do mundo. Francisco viveu, pregou e promoveu a cada instante a tolerância e hoje ajudará os homens de boa vontade inspirando-lhes pensamentos e acções de paz e de afirmação da liberdade religiosa.

domingo, outubro 16, 2011

Uma cisão entre os cismáticos

A SSPX está a implodir e prepara-se uma inevitável fragmentação por parte dos grupos lefebvrianos anglosaxónicos. Willianson foi mesmo ameaçado de expulsão e proibido de ir ao encontro em Itália, mas a pressão dos seus apoiantes implica a manutenção do Cisma.
Neste  combate aos cismáticos, Bento XVI segue a cartilha bélica tradicional - dividir para reinar.


Sor Verónica se fundió en un largo abrazo con el Papa :: Vaticano :: Religión Digital

Sor Verónica se fundió en un largo abrazo con el Papa :: Vaticano :: Religión Digital

D. JANUARIO TORGAL FERREIRA E O ORÇAMENTO 2012 (14.10.2011)

JANUARIO TORGAL FERREIRA - Bispo das Forças Armadas / 14.10.2011

quinta-feira, outubro 13, 2011

A Tradição ainda é o que era

Eu gosto da duquesa de Alba.
Gosto como quem gosta de coisas bizarras que nos enternecem, como aqueles cãezinhos de raça monstruosos e cheios de rugas.
È que a duquesa de Alba é uma mulher feia, tenebrosa mesmo, com aquele rosto desfigurado por cirurgias plásticas. Representa tudo o que há de mais óbvio nestas coisas da realeza - nunca fez mais nada na vida a não ser usufruir do dinheiro e da posição social que herdou - ou seja divertir-se à brava,  gastar fortunas em caprichos e degustar uma razoável colecção de amantes.
O ùltimo capricho foi um casamento serôdio com um caçador de dotes charmoso ( bastante velho também, mas que ao lado dela parece um ingénuo jovem). Que uma múmia  nonagenária leve avante o seu capricho final e consiga comprar um marido contra tudo e contra todos,  parece-me uma bela imagem da realidade em que vivem os suspirantes monárquicos. No entanto um pormenor da boda emocionou-me:   a noiva decrépita usou umas meias de rede cor-de-rosa ( iguazinhas às meninas dos cabarets) mas sob o rendilhado viam-se as tenebrosas manchas arroxeadas de umas pernas corroídas pela velhice. E, contra todas as expectativas, a múmia dançou.

terça-feira, outubro 11, 2011

Assis, para os católicos de hoje

"Assisi 2011: manca pochissimo alla giornata di riflessione, dialogo e preghiera per la pace e la giustizia nel mondo, che vedrà riuniti nella cittadina umbra il Papa con i massimi rappresentanti delle religioni mondiali. E dal Vaticano ci si affanna a spiegare il senso dell’appuntamento, consapevoli che sono destinate a risorgere le polemiche interne al mondo cattolico con i settori tradizionalisti pronti a gridare al “tradimento”: il vescovo di Roma, secondo loro, non dovrebbe andare a braccetto con eretici e miscredenti. In realtà, come spiega e fa capire questo volume, che raccoglie articoli di cardinali di Curia, teologi, esponenti di movimenti cattolici (già pubblicati su L’Osservatore Romano), le ragioni dell’impegno per la pace devono andare oltre le appartenenze religiose e devono produrre un sentire nuovo. Le religioni smettano dunque di creare divisioni nell’umanità ed agiscano concordi a favore di uno sviluppo pacifico. Chi non lo comprende, notano i diversi autori, è fuori dal Concilio Vaticano II.








Ed è lontanissimo dal dialogo interreligioso come si sviluppa oggi: da un lato dibattito teologico; dall’altro gesti comuni per dire che tutte le religioni sono autentiche quando hanno a cuore il benessere dell’umanità."


AA.VV., Assisi 2011, Libreria Editrice Vaticana 2011; pp. 65


"

A verdade liberta

Cromoterapia


Tem um ar vermelhusco ( missas a mais, com grandes consumos de alcoól?) e não gosta de dentistas, o que o torna desde logo candidato a um lugar na caderneta, mesmo ao lado do emplastro...

Caderneta de Cromos

Padre Michael Rodríguez,cheio de tiques suspeitos,  amante das latinices e coisas quejandas
Feio até doer, este cromo merece destaque na colecção.

Caderneta de Cromos



"O bispo lefebvrista britânico Richard Williamson, membro da Fraternidade São Pio X –que reúne os seguidores do arcebispo francês Marcel Lefebvre que faleceu excomungado– foi condenado a pagar uma multa de 6 500 euros por ter negado a shoah, o holocausto judeu".

Não se trata apenas dum velho nazi amante do latinório, é um autêntico cromo, feio como o diabo....

domingo, outubro 09, 2011

A barreira invisível

Palavras claríssimas de Dom Domenico Mogavero, Bispo  de Mazara del Vallo , proferidas num ainda mais claro italiano, num livro recém-publicado. O  prefácio, assinado pelo   arcebispo-emérito de Milão, Cardeal Tettamanzi conhecido pelas suas posições pastorais e doutrinárias completamente opostas aos lunáticos tradicionalistas tridentinos. Outra voz sonante, tanto mais  que está na categoria de papabili.

Ambos concordam: a decisão de Bento XVI de  tentar a reconciliação dos cismáticos lefebvrianos nada mais trouxe que perplexidade e turbulência. A ler com MUITA atenção.

Fellay o procrastrinador compulsivo

Como era expectável, pelo lado dos fellacianos, o cisma mantém-se.  Os cromos que andavam a falar em prelaturas pessoais ( aliás já o fazem há quatro anos) ficaram assim:


terça-feira, outubro 04, 2011

Sim, nós somos Igreja!

"Quando dizemos: “Nós somos Igreja”, sim, claro, é certo, somos nós, não um qualquer. Porém o ‘nós’ é mais amplo do que o grupo que o está dizendo. O ‘nós’ é a comunidade inteira dos fiéis, de hoje, de todos os lugares e todos os tempos. E digo sempre, ademais, que na comunidade dos fiéis, sim, existe, por dizê-lo assim, o juízo da maioria de fato, porém nunca pode haver uma maioria contra os Apóstolos e contra os Santos: isso seria uma falsa maioria. Nós somos Igreja: Sejamo-lo! Sejamo-lo precisamente no abrir-nos, no ir além de nós mesmos e em sê-lo junto aos outros”.

Bento XVI

quarta-feira, setembro 28, 2011

Missa velha em bikini

Calções, bikinis, shorts, decotes profundos e meninas descascadas ( entre alguns bocejos). foi com este espírito de curiosidade leve,  que alguns jovens asssitiram a uma missa velha durante as JMJ. A tradição já não é o que era.
Aqui está a foto

terça-feira, setembro 27, 2011

E no entanto move-se

Fellay, o procrastinador cismático

Os sinais são claros  -  mais reunião, menos reunião ( primeira semana de outubro) , mais pedido de clarificação, mais ou menso  manobras de bastidor , mais freira menos freira, o cisma é para manter.

Alguns fellacianos  exprimem o seu  medo que o actual papa morra ( ou resigne) antes de qualquer decisão definitiva e que se perca assim a última oportunidade de terem  algum protagonismo eclesial. Não é para menos. A ideia de uma prelatura pessoal é um naco apetecível mas o preço a pagar é o enterro definitivo de  Lefebvre.
 Sob a capa do silêncio, uma divisão profunda e irreversível  agita as hostes lefebvrinas.A estratégia vai ser mais uma vez, adiar, adiar, adiar até ao limite. I eso tem um significado - estar fora da Igreja.

segunda-feira, setembro 26, 2011

Condoms save lifes

Clube do Bolinha

A quatro mãos

A irmâ Assumpta ( é assim que se escreve?) tinha um carregado sotaque italiano. Magra e alta desfilava entre açucenas quando fazia mais frio. Tocava comigo partituras a quatro mãos depois de me ajeitar uma almofada para eu chegar ao teclado. Tinha orgulho na miúda de cinco anos e ensinava-me completamente de graça, só pelo prazer de ver o que eu aprendia. Uma vez vi-a chorar em silêncio mas não me disse porquê. Era muito bondosa.
Deixei de a ver durante uns meses e disseram-me que morreu de um mal-na-barriga. Fiquei triste. Não sabia que as freiras, ainda por cima assumptas, também morriam novas de males-da-barriga, que era um eufemismo para falar daquelas inconfessáveis maleitas graves das senhoras. Mais tarde continuei a estudar piano a sério, ou seja, a pagar, mas lembro-me sempre daquelas primeiras pautas.
"Às vezes parece-me que sou uma nuvem com raízes, sempre a partir e a ficar. Não abandono os sítios de que me fui embora, coloquei a alma, escondida, sob cada objecto"



António Lobo Antunes

sábado, setembro 24, 2011

sexta-feira, setembro 23, 2011

PAPST Ansprache AUGUSTINERKLOSTER in ERFURT 23.09.2011 -1

Pope meets with Jewish community in Berlin

Pope visits Martin Luther's convent

Ecumenismo

"O pensamento de Lutero, a sua espiritualidade inteira era totalmente cristocêntrica. Para Lutero, o critério hermenêutico decisivo na interpretação da Sagrada Escritura era «aquilo que promove Cristo». Mas isto pressupõe que Cristo seja o centro da nossa espiritualidade e que o amor por Ele, o viver juntamente com Ele, oriente a nossa vida.”

Bento XVI, Celebração ecuménica , Erfur

quarta-feira, setembro 14, 2011

P. Jean-Paul Durand : « Les lefebvristes doivent reconnaître la légitimité de l’enseignement du Concile »

"La Croix : Quelle est la signification de ce « préambule doctrinal », qui est mis par le Saint-Siège comme condition de l’accord avec la Fraternité Saint-Pie-X ?

P. Jean-Paul Durand : Il était impossible de parvenir à un accord autrement. Benoît XVI a senti qu’on lui reprochait de s’être montré trop accueillant, et il était important de bien poser les choses. Dans un certain nombre de discours, depuis, il a d’ailleurs pris soin de rappeler l’importance du concile Vatican II. De ce fait, ce préambule a deux objectifs. D’abord la Fraternité Saint-Pie-X elle-même, mais surtout les tiers, les catholiques. Il est important que ces derniers ne puissent accuser Rome de s’être laissé récupérer, d’avoir trop reculé. Ce préambule doctrinal, sorte d’exposé des motifs, comporte donc un aspect de communication forte, de façon à ce qu’il n’y ait pas ensuite de procès d’intention.
Pourquoi d’un côté poser ce préambule, et de l’autre laisser ouverte « à une légitime discussion » des expressions ou formulations présentes dans les textes du concile Vatican II ?

C’est une méthode de dialogue, que l’on utilise aussi dans le dialogue œcuménique, avec les autres confessions chrétiennes. C’est ainsi qu’avec les luthériens, pour l’accord sur la doctrine de la justification, on a reconnu une base commune, mais aussi des différences d’appréciations, et c’est une manière de ne pas bloquer les choses. C’est la même chose ici : il est demandé aux intégristes un minimum incontournable, le préambule doctrinal, et on prend ensuite le temps de discuter sur certaines interprétations.

Minimum incontournable ?
Le respect « en bloc » du Concile, c’est-à-dire de son authenticité, de la légitimité de son enseignement. On ne peut transiger s’il n’y a pas ce minimum de départ.

Felay, o procrastinador indeciso

O titubeante Felay falou em público para confirmar o que todos sabíamos . Foi-lhe lançado um ultimato, e ou aceita a doutrina católica do Vaticano II, ou mantém-se fora da Igreja. Preâmbulo doutrinário é isso mesmo - condição sinequanon.
O pobre do proscratinador Felay diz que vai pensar, mas uma coisa é certa,  a paciência do Vaticano está a esgotar-se. Bento XVI já afirmou publicamente no seu ùltimo livro entrevista que,  se soubesse o que sabe hoje nunca retiraria a excomunhão ao nazi  Wilianson.  

Para Bento XVI, o Ecumenismo e o diálogo inter-religioso, no trilho do concílio Vaticano II, assim como a plenitude universal do rito ordinário, não admitem contestação ou retrocessos - são para manter e aprofundar...
Felay está pois numa encruzilhada  catastrófica - ao aceitar a proposta do Vaticano consegue uma  vitória pírrica - uma autonomia dos bispos locais -  mas terá de ceder sobre aspectos doutrinais considerados até agora irredutíveis e renegar o legado de Lefebvre. Se recusar a proposta do vaticano arrisca-se a que o seu grupito minoritário não passe de  uma seita sedevacantista definitivamente isolada. Num caso ou noutro é o fim dos tridentinos fundamentalistas. Paz às suas almas atribuladas.

Esta tarde

 Bernard Fellay, vai falar esta tarde sobre a oferta generosa do Vaticano. Em cima da mesa está a moeda de troca  - a plena aceitação do Ecumenismo, do diálogo inter-religioso, da liberdade religiosa,e os princípios essenciais do Concílio Vaticano II. Primeiro aceita-se isto ( o tal preãmbulo doutrinal, duas páginas e meia redigidas em francês) depois logo se vê...

A bola está do lado do Fellay....convertem-se ou mantém-se o cisma??

Condições prévias a um eventual fim do cisma . o ultimato papal

"... a Congregação para a Doutrina da Fé toma por base fundamental para a plena reconciliação com a Sé Apostólica a aceitação do Preâmbulo Doutrinal que foi entregue durante o encontro de 14 de setembro de 2011. Este preâmbulo enuncia alguns dos princípios doutrinais e os critérios de interpretação da doutrina católica necessários para garantir a fidelidade ao Magistério da Igreja e o sentire cum Ecclesia, deixando, ao mesmo tempo, abertos a uma legítima discussão o estudo e a explicação teológica de expressões ou de formulações específicas presentes nos textos do Concílio Vaticano II e do Magistério que o seguiu. "

Durante a mesma reunião, foram propostos alguns elementos em vista de uma solução canônica para a Fraternidade Sacerdotal São Pio X, que seguiria a eventual e esperada reconciliação."
O referido documento apresenta as soluções finais do Vaticano relativamente ás "discussões doutrinárias " sobre te mas tão específicos como o Ecumenismo e a liberdade religiosa - posições que colidem frontalmente com as posições oficiais dos tridentinos. Mais ainda - exige-se uma resposta rápida e uma tomada de posição definitiva - Roma cedeu até aos limites da compaixão e condescendência mas este ultimato é definitivo.

domingo, setembro 11, 2011

11 de Setembro ou a perda da inocência

Há apenas dez anos a irracionalidade do fundamentalismo religioso parecia algo de distante e quase caricatural. De repente a irracionalidade da religião mostrou a sua face e esfacelou o pequeno mundo organizadinho em que viviamos, em que valores como a liberdade, a democracia, os direitos  humanos  e a paz nos pareciam acabados e definitivos.

Como aprendemos à nossa custa e à custa do sangue de muitos, nos últimos dez anos, todas as formas de  fundamentalismo religioso (católico incluído) são a mais séria ameaça às conquistas civilizacionais.

sábado, setembro 10, 2011

A IURD no Seminário de Vilar

Chama-se Padre James e é uma verdadeira sucursal de superstição à escala global. As "celebrações" são dignas da IURD ou qualquer seita histriónica. As autoridades deviam investigar mais a fundo este tipo de fenómenos e as organizações envolvidas, mas as vítimas de burla ( algumas mortas) não se queixam.
Mais estranho ainda é a Igreja Católica "oficial" tolerar ou até acolher estas manifestações.O segredo do homem? Ao abrigo de uma religiosidade básica, promete o milagre da cura, desde cancro em fase terminal até às hemorróidas. Os doentes são incentivados a abandonar os tratamentos ( e isto incluiu desde medicamentos contra a hipertensão arterial até sessões de quimioterapia) .Histeria, gritos e desmaios colectivos em pessoas sugestionáveis completam o quadro das "celebrações eucarísticas".
A maior parte são doentes oncológicos em estado mais ou menos grave que se "agarram a tudo" na esperança de sobreviver. È atávico - da bruxa ao curandeiro, às portas da morte tenta-se tudo... E esta vulnerabilidade aumenta o poder de gurus imaginários.

Aliás os testemunhos curas em Portugal é quase infinito. Até há "miraculados" com a mesma cara, embora com nomes diferentes e doenças diversas - como é o caso da Albertina Maria e da Maria Rosa.

Recentemente soube da morte de mais uma pessoa  que tinha sido "curada" pelo milagreiro. Declarada miraculada em sessão pública, mesmo depois de um diagnóstico médico que lhe diagnosticava cancro em fase terminal, com metástases generalizadas.
Durante algumas semanas andou eufórica, convencida da fraude. Não sei quanto dinheiro vai parar à conta do "benemérito", recolhida pelos acólitos solícitos. Os "donativos" das pessoas miraculadas devem ser bastantes, a julgar pelos relatos. Afinal , há que ajudar as "missões do Padre James".... como dizem as compungidas beatas.

O Santuário de Fátima tem sido palco deste verdadeiro artista. O Seminário de Vilar no Porto é o próximo local de encenação.
Pode ser que alguém faça alguma coisita... Talvez o Bispo do Porto, quem sabe? Aqui fica o apelo.

sexta-feira, setembro 09, 2011

A inevitável mudança.

Na àustria, o diálogo para a mudança continua.

Na Alemanha, um Bispo toma posições públicas de uma clareza cristâ.

Começa a ser claro que a cristalização num conservadorismo bacoco e estéril não é o caminho.

A mudança é pois Inexorável. E passa pela exigência do diálogo.

Anunciação

No chão de madeira o sol da tarde, filtrado pelas folhas dos plátanos,  acende-se a apaga-se, qual néon.O respirar dos anjos deve ser assim, ora está, ora deixa de estar, lampeja a mulher.
Às cinco horas, a anunciada chuva-de-fins-de-agosto ainda não tinha aparecido. Durante toda a tarde os cães do vento ganiram de encontro aos carvalhos, enruguescidos de esforço. Em vão rodopiavam aflitivos braços, nem assim os cães do vento amainaram, a mordilhar-lhes os altos ramos.
A mulher estremeceu de solitude antes de continuar a tarefa - desembrulhar pratos de loiça na banca da cozinha marmoreada de frio. As repetitivas mãos abriam porcelanas empacotadas em jornais, até ficarem empilhadas numa pirâmide esbranquiçada, pequenos pratos, chávenas pintalgadas de flores azuis, tigelas antigas de marmelada, sobrepostos aos montes, ao sabor do vento suão, lá fora.
A mulher entardece agora, cada vez mais sózinha na casa, com uma espécie de vertigem interior que nunca a abandona, nem quando dorme, como atestam  as sombras sob o queixo.O último prato de porcelana estremece nas pálpebras da quase- noite.
O respirar dos anjos deve ser assim, ora está, ora deixa de estar, murmura a mulher num súbito lampejo.

Medidas abortistas

"o fim da comparticipação das pílulas contraceptivas vendidas nas farmácias "é um incentivo à gravidez não desejada e ao aumento dos abortos".

A verdade liberta

"cuando ves que Gregorio de Nacianzo denunciaba con enorme clarividencia algunos aspectos de la situación de las mujeres en el siglo IV que siguen igual en el XXI, como si Dios hubiera asignado a las mujeres unos roles que en realidad les ha adjudicado una evolución social de un determinado tipo. Esa percepción de que ha habido en la historia, generación tras generación, mujeres que se han sentido limitadas en su desarrollo personal a causa de estos estereotipos causa pena y congoja.
Junto a esto, causa gozo ver que, también generación tras generación, a lo largo de la historia también ha habido personas que no se conforman ante esta situación. Aunque hay una reacción constante contra este anhelo, aunque muchas de estas experiencias acaban mal, el anhelo surge y tampoco cesa, porque mientras haya mujeres existirá este anhelo de ser lo que te parezca que tienes que ser, lo que Dios te dé a entender que tienes que ser."

Entrevista integral

quinta-feira, setembro 08, 2011

A anedota do dia

Os trabalhadores vão poder deduzir cerca de 12 euros por cada filho ao imposto extraordinário sobre o subsídio de Natal aplicável aos rendimentos de 2011, segundo a legislação hoje publicada em Diário da República.
Gostava de saber qual o tio de Cascais que teve esta ideia hilariante, mas aposto que dve andar por aí nos movimentos próvida, tal como o idiota que aprovou estes cortes na saúde.

Fim de férias

Um país a saque, esmagados de impostos e sem as prestações sociais mais básicas.

terça-feira, setembro 06, 2011

O ar dos tempos

Agora que o país está a saque coelhónico e que o garrote da recessão e da miséria vão fazer-se sentir, uma perguntinha inocente : por onde anda Paulo Portas?????

domingo, agosto 28, 2011

Obituário

Há pessoas verdadeiramente importantes que fazem a diferneça. Em regra, morrem novos.
Ninguém pode articular uma sílaba que não esteja plena de ternuras e de temores; que não seja nalguma dessas linguagens o nome poderoso de um deus. Falar é incorrer em tautologias

jorge luís borges
"À desaforada esperança, comoé natural, sucedeu-se uma depressão excessiva. A certeza de que alguma prateleira nalgum hexágono continha livros preciosos e de que esses livros preciosos eram inacessíveis, pareceu quase intolerável. Uma seita blasfema sugeriu que cessassem as buscas e que todos os homens misturassem letras e símbolos, até construírem, por meio de um improvável dom do acaso, esses livros canónicos. As autoridades viram-se obrigadas a promulgar ordens severas. A seita desapareceu, mas na minha infância vi homens velhos que longamente se ocultavam nas latrinas, com uns discos de metal num covilhete proibido, e fracamente imitavam a divina desordem. Outros, pelo contrário, acreditaram que a prioridade era eliminar as obras inúteis. Invadiam os hexágonos, exibiam credenciais nem sempre falsas, folheavam com tédio um volume e condenavam estantes inteiras: ao seu furor higiénico e ascético deve-se a insensata perda de milhões de livros. "

A Biblioteca,  de Borges

quarta-feira, agosto 24, 2011

JMJ 2011 - La juventud del Papa armándola en el Metro


BOTELLÓN JMJ


JMJ Madrid

Um ambiente quase orgiástio muito parecido com os festivais de verão, palcos para festas todas as noites, samba e rock até fartar e banhos de água com mangueiras em que os bombeiros faziam especial pontaria ás freiras e condições de alojamento especialmente animalescas - como uma casa de banho para oitecentas pessoas,
A orgia deixou os jovens cansados.

JMJ Madrid - jovens católicos mas pouco



JMJ Madrid - jovens católicos mas pouco


ùltima oportunidade

14 de setembro em Roma - Para os cismáticos, o Vaticano está disposto a aceitar a sua integração na Igreja Católica , através de uma estrutura semelhante àquela oferecida pelo Papa aos anglicanos. Mas só se chegarem a um acordo sobre o Vaticano II, ou seja, só se aceitarem  o Concílio Vaticano II.


Coisa improvável.


Roma dixit

Bento XVI dirigiu uma mensagem ao cardeal-patriarca de Lisboa, assinalando os 50 anos de ordenação sacerdotal de D. José Policarpo que hoje se celebram e deixando elogios à sua ação na Igreja e na sociedade portuguesas.
Conhecemos bem, venerável irmão, terem sido estes anos distinguidos pela sólida doutrina, pelo conhecimento preciso da disciplina eclesiástica, pelo intenso labor na ilustre Sé de Lisboa. Nela começara a manifestar-se os recursos, largamente difundidos, das tuas virtudes sacerdotais e episcopais”.

quarta-feira, agosto 10, 2011

Já não bastavam as agências de rating

Coitados dos pobrezinhos e desvalidos

A direita não é sexy


A direita não é sexy

A direita não é sexy


Silly season

Parece que um blogger pataroco qualquer de direita diz que os  políticos de direita são mais atraentes do ponto de vista da sexualidade.
Independentemente das opções sexuais do moçoilo em causa, aqui ficam algumas fotos entre políticos de Esquerda/ Direita para poderem escolher.


Silly season

Durante os dias de Estio, há quem se preocupe com coisas minor como a posição em que os católicos se alimentam (espiritualmente falando).

Sentados, de pé, de joelhos, deitados, discute-se um verdadeiro kama sutra de beatagem em  que alguns, mais falhos de imaginação, confessam ter uma posição única e imovível - De joelhos , língua estendida e boquinha aberta, mai nada. Eles lá sabem do que gostam.

Um autêntico arraial de Verão ao som do Malhoa..

josé malhoa - Vai ter que rezar


sábado, agosto 06, 2011

Diagnóstico: Enferma terminal. ¿Se puede salvar aún la Iglesia

Uma entrevista recente de Hans Küng diagnostica os principais problemas da Igreja Católica  actual e aponta com lucidez as soluções. A entrevista original pode ser lida aqui,  e neste site está uma boa tradução para espanhol. Eis alguns extractos:

Cuáles son para Ud. los principales síntomas de esta crísis de la Iglesia Católica que diagnóstica en el libro?

Küng:Básicamente que las parroquias se están secando lentamente, en parte a causa del mensaje dogmático que viene reiteradamente prescrito desde arriba. Naturalmente tenemos también el problema de los cargos eclesiáles. En el libro lo ilustro con el ejemplo de mi propia comunidad en Suiza. Durante mucho tiempo hemos tenido cuatro sacerdotes (los „cuatro caballeros“); hoy no queda ninguno. Seguimos teniendo a dos jubilados y a un diácono. El diácono lo hace fenomenal, un alemán, por cierto. No obstante, no puede presidir la eucaristía por no haber sido ordenado sacerdote. Y no puede ser ordenado sacerdote porque está casado. Es completamente absurdo. Hemos de abordar una serie de puntos muy concretos: 1. el celibato ha de ser opcional. 2. las mujeres han de tener acceso a los cargos eclesiales. 3. se ha de permitir que los divorciados participen en la eucaristía; 4. se han de establecer comunidades eucarísticas entre las diferentes confesiones sin esperar otros 400 años.

terça-feira, agosto 02, 2011

A cegueira da Tradição

Mateus 15, 1-2.10-14

Naquele tempo, alguns fariseus e doutores da Lei foram de Jerusalém ter com Jesus e fizeram-lhe esta pergunta: "Por que é que os teus discípulos não fazem caso da tradição dos antigos? É que eles não cumprem a cerimónia de lavar as mãos, antes de comer." Jesus chamou outra vez o povo e disse: "Ouçam e vejam se compreendem! O que torna as pessoas impuras não é o que lhes entra pela boca, mas sim o que lhes sai da boca." Então os discípulos aproximaram-se dele e disseram-lhe: "Sabes que os fariseus ficaram muito ofendidos ao ouvirem as tuas palavras?" Jesus respondeu: "Toda a planta que meu Pai do céu não plantou há-de ser arrancada. Deixem-nos lá! São cegos que fazem de guias a outros cegos. E, quando um cego guia outro, acabam por cair os dois num buraco."

sábado, julho 30, 2011

O ovo da serpente

Finalmente, nos blogues tridentinos neonazis portugueses, começam  a aparecer tímidas reacções sobre os atentados na Noruega.
 Nem uma palavra  de repúdio pelos ASSASSÍNIOS, mas apenas uma grande preocupação com a defesa do seu perpetrador. Entendamo-nos  - trata-se de negar o óbvio - a sua ligação à ideologia de extrema direita, o seu discurso de ódio contra o islão, contra a  democracia , contra o multiculturalismo, o ódio racial, o antifeminismo básico,  e o seu fundamentalismo cristão com referências à Guerra Santa e às Cruzadas. A  simpatia confessa do terrorista pelo típico integrismo católico, onde nem faltam as  críticas ao papa pela sua aproximação ao islão. Convenhamos - algumas páginas do seu manifesto  - sobretudo aquelas em que se criticam a aproximação do Papa a outras religiões e o diálogo inter-religioso promovido pela Igreja Católica  - parecem decalcadas dos manifestos apoiantes da Missa Tridentina.
Ou seja, a preocupação dos autores dos blogues  tridentinos neonazis portugueses não é manifestar horror face ao sucedido ou solidariedade com as vítimas  (afinal, de acordo om as suas crenças, quando há guerras santas há sempre danos colaterais e a morte de inocentes nunca comoveu fundamentalistas religiosos). È apenas um propagandear catatónico de que o terrorista em causa não era de extrema-direita nem fundamentalista cristão, nem sequer conservador mas "apenas" maçon.
E é precisamente esta indiferença absoluta face ao valor da vida humana, ou face ao ataque contra a democracia e liberdade, que perpassa nestes blogues e sites e que poderá chocar os mais incautos. Nada que me surpreenda - aliás nos blogues tradicionalistas católicos portugueses estão adicionadas vários  sites neonazis existentes em Portugal e sites neonazis europeus, assim como ligações a sites e blogues do PNR. Precisamente os mesmos que a PJ está a investigar por eventuais ligações ao terrorista....

sexta-feira, julho 29, 2011

Retrato do terror cristão

Tal como seus congéneres terroristas islãmicos, ao afirmar-se como "anti-pacifista e  anti-feminista", o terrorista norueguês Breivik revelou  a sua proximidade com o ideário do  fundamentalismo religioso ( católico incluído).

A lição da noruega

"Num gesto de grande simbolismo, o primeiro-ministro escolheu a maior mesquita de Oslo para o ponto alto das cerimónias oficiais em memória das vítimas dos atentados de há uma semana.
Jens Stoltenberg vai à mesquita a meio da tarde para falar da democracia, tolerância e abertura da sociedade norueguesa, visando mostrar à comunidade muçulmana que a Noruega é hoje um país multicultural onde há lugar para todos e onde todos têm o seu lugar.
Mas ao escolher uma mesquita para assinalar os atentados da passada sexta-feira, Stoltenberg sinaliza a todos os noruegueses, anti-islamistas ou não, que os muçulmanos, quer se goste ou se desgoste, estão na Noruega para ficar, são noruegueses, e o melhor é todos aprenderem a conviver uns com os outros.
O primeiro-ministro, que se recusa a mencionar Anders Brevik pelo nome, pretende acima de tudo mostrar ao autor dos recentes atentados no país que a nação norueguesa não cede ao medo e ao terror da passada sexta-feira.
O governo norueguês declarou esta sexta-feira dia de luto nacional, dando tolerância de ponto às pessoas que em todo o país desejem participar nas inúmeras cerimónias em memória das vítimas dos atentados."

"The mayor of Oslo, Fabian Stang, said: "We will punish the guilty. The punishment will be more generosity, more tolerance, more democracy."

 

Fixação anal

"A los anti-“lefebvrianos” sólo desearles, de buena fe y mejor corazón, que algún ángel travieso y algo juguetón les administre un supositorio de guindillas. Curan las hemorroides casi ipso facto. Especialmente si son guindillas eclesiásticas, la mejor variedad de todas. Tratamiento de elección para almorranas presbitéricas, altoclericales y demás germanía anti-“lefebvriana”, sin duda."

São as reflexões onanistas de Rafaelito, na Casa dos doidos,

Neuroquímica

35T3 P3QU3N0 T3XTO 53RV3 4P3N45 P4R4


M05TR4R COMO NO554 C4B3Ç4 CONS3GU3 F4Z3R

CO1545 1MPR3551ON4ANT35! R3P4R3 N155O!

NO COM3ÇO 35T4V4 M310 COMPL1C4DO, M45

N3ST4 L1NH4 SU4 M3NT3 V41 D3C1FR4NDO O

CÓD1GO QU453 4UTOM4T1C4M3NT3, S3M

PR3C1S4R P3N54R MU1TO, C3RTO? POD3 F1C4R

B3M ORGULHO5O D155O! SU4 C4P4C1D4D3 M3R3C3!

P4R4BÉN5!

quinta-feira, julho 28, 2011

E no entanto move-se

Inevitavelmente.

Voyeurs

Curioso o comportamento das pessoas em cerimónias de  casamento.
Alguns convidados mirones pasmam com o vestuário das convidadas que consideram pornográficos, alguns padres passam a cerimónia excitados com a possibilidade das noivas não usarem cuecas.
Ao que parece a depilação brasileira é mesmo o cerne da taradice do padre.
Tanto voyeurismo roça a parafilia disfarçada de pietismo em cerimónias de casamento. Pobres noivos, o que arriscam.... È que anda por aí muita gente com falta de sexo.

O ovo da serpente

Nota de rodapé

Nos blogues neonazis tridentinos portugueses o silêncio é total acerca do atentado na Noruega.

O terror dos outros

"reduzir o duplo atentado de sexta-feira a um acto de um alucinado é esvaziar a importância das motivações políticas de Anders Breivik. Mas é isso que estamos a ouvir diariamente: Anders é um louco solitário, e o facto de ter ligações à extrema-direita é apenas um pormenor. É um caso previsível de double standards: a loucura nunca é a causa primária para atentados perpetrados por terroristas islâmicos. Porquê? Porque um acto de loucura é um acto solitário; e sendo um acto solitário, é uma excepção, não nos vincula, enquanto sociedade, ao indivíduo que o pratica. Enquanto que um atentado terrorista, despojado da insanidade solitária do atirador que mata dezenas, vincula toda uma cultura. Excluímos os nossos loucos, diferenciamo-los do resto da sociedade, afirmando: "nós não somos assim, isto é uma excepção". Mas vinculamos milhões de muçulmanos à violência praticada por uma minoria (de loucos de Deus). De que lado está o "preconceito antropológico ocidental"?"~



Sérgio Lavos