terça-feira, novembro 30, 2010

Ligação directa

"A conferência de imprensa de José Mourinho no fim do Barcelona-Real Madrid desta noite foi uma aula, uma lição de como levar cinco olés na casa do maior rival, virar a situação e terminar como se fosse o grande vencedor da noite. Sem nunca se exaltar, sem nunca cair nas escorregadias perguntas dos jornalistas sedentos de sangue, ainda terminou a refrescar os rostos frustrados com o recente Barcelona-Inter de Milão.
Se dúvidas houvesse e mesmo na noite em que levou cinco em Barcelona, Mou mostrou porque é Mou, um dos grandes treinadores da história do futebol mundial. Quanto à La Liga não tenham ilusões, podiam ter sido 10, o Real Madrid está lá na corrida para dar e durar."

Delito de Opinião

Constatação matinal

Deus tarda, mas não falha.

segunda-feira, novembro 29, 2010

De Espanha nem bom vento...

As reacções em Espanha roçam a caricatura. E não, não falo de futebol.

Rumores de angeles

Sinais dos tempos

"(...) o pronunciamento papal sobre a legitimidade do uso do preservativo em "casos pontuais, justificados", foi histórico, aliás, saudado como positivo por muitos Governos, pela directora da OMS e pelo secretário-geral da ONU. Afinal, Bento XVI apenas pôs em prática o Evangelho: "O Homem não é para o Sábado, mas o Sábado para o Homem."
Precisamente por isso, penso que será necessário perguntar se a Igreja não terá de rever outras questões. Se, por exemplo, a paternidade e a maternidade responsáveis não implicam a abertura aos anticonceptivos "artificiais", superando uma concepção biologista da natureza. Se não se deverá colocar termo à lei do celibato, pois não é bom impor como lei o que Jesus entregou à liberdade. Se não se deverá tirar as devidas consequências da afirmação papal: os homossexuais "merecem respeito" e "não devem ser rejeitados por causa disso". Se não é necessário repensar a proibição da comunhão aos divorciados que voltaram a casar. Se as mulheres, a partir do comportamento de Jesus, que levou à declaração paulina: "já não há judeu nem grego, nem senhor nem escravo, nem homem nem mulher, pois todos são um só em Cristo", não devem ser tratadas na Igreja sem discriminação, por exemplo, no acesso à presidência na celebração da Eucaristia.
Mais tarde ou mais cedo - é preferível mais cedo -, a Igreja deverá ter um pronunciamento lúcido e claro sobre estas matérias.
Para não dar a impressão de que ela lá vai indo, mas aos empurrões, e quando, entretanto, muitos a foram abandonando."

Para finalizar

"Obviamente, Bento XVI quis dizer o que diz no livro: mantendo a oposição oficial ao uso do preservativo, admitiu a sua utilização "em certos casos". Soam, por isso, a afirmações de mau perdedor as daqueles que vêm agora relativizar o que disse o Papa, afirmando que se trata apenas de repetir a doutrina.
Sim, Bento XVI não disse nada de novo em relação ao que muitos dizem na Igreja. Mas sim: o que ele disse é novo na boca de um Papa e isso dá-lhe uma grande carga simbólica que não pode ser ignorada. Habituados que estávamos aos pronunciamentos de João Paulo II e do próprio Bento XVI sobre a matéria, esta declaração muda a forma como a doutrina oficial católica é apresentada.
2. Isto dito, continuam a ser certeiras as palavras do teólogo espanhol Juan Masiá, que dirigiu cátedras de bioética católica em Madrid e no Japão: "No caso - meio cómico, meio anacrónico - à volta do preservativo: não se sabe se havemos de rir ou chorar. Nem sequer tinha que ser problema. Não só como prevenção de contágio, mas como anticonceptivo corrente (...). A teologia moral há muito superou esse falso problema."
A história, de facto, podia ser outra e o preservativo já deveria ter deixado de ser um problema para a doutrina oficial católica há 40 anos - o Papa Paulo VI nomeou uma comissão para redigir aquela que viria a ser a encíclica Humanae Vitae, sobre o planeamento familiar. As posições da maioria da comissão, aberta ao planeamento familiar "artificial", não agradaram a alguns cardeais da Cúria Romana, que não deixaram Paulo VI em paz enquanto este não refez a comissão, de modo a manter a doutrina tradicional.
A tragédia destas quatro décadas, com tanta gente que abandonou a Igreja por causa das muitas decepções, nomeadamente no campo da moral, evidencia a forma como aquela foi uma oportunidade perdida. "

Não há Teologias definitivas

A ler por aqui.

da vida

Bento XVI  falou do embrião e da necessidade da sua defesa.
Esqueceu-se foi de falar do zigoto ,  da mórula, do blastocisto ou do trofoblasto.Se calhar porque são mesmo um emaranhado de células indiferenciadas.

E o embrião só surge no 15º dia depois da junção de um óvulo com um espermatozóide.

Não se perdeu nenhuma coisa em mim

Não se perdeu nenhuma coisa em mim. Continuam as noites e os poentes
Que escorreram na casa e no jardim,
Continuam as vozes diferentes
Que intactas no meu ser estão suspensas.
Trago o terror e trago a claridade,
E através de todas as presenças
Caminho para a única unidade.


Sophia de Mello Breyner Andresen

Um dia branco

Dai-me um dia branco, um mar de beladona
Um movimento
Inteiro, unido, adormecido
Como um só momento.
Eu quero caminhar como quem dorme
Entre países sem nome que flutuam.
Imagens tão mudas
Que ao olhá-las me pareça
Que fechei os olhos.
Um dia em que se possa não saber.

Sophia de Mello Breyner Andresen

Antologia

Com ou sem preservativo

"A nossa única defesa contra a morte é o amor"
José Saramago

Banco Alimentar contra a Fome - pequenas alegrias

Um fim-de-semana em cheio. A generosidade das pessoas, mesmo aquelas que têm algumas dificuldades. A generosidade dos voluntários, quase todos jovens,  que abdicarem de algumas horas em favor dos outros.
ESte sentido comunitário que nos faz ter orgulho em sermos portugueses - quanto maior a crise, maior solidariedade e a vontade de ajudar os outros.
E uma coisa que já aprendi há muito tempo em lides várias - os mais generosos e solidários são sempre os mais pobres.
No entanto esta solidariedade aflita e aflitiva tem qualquer coisa de preocupante. As pessoas dão aos outros sempre com uma pontinha de narcisismo porque também gostariam de ser ajudadas numa situação difícil.
Este ano, ao darem mais, alguns dizem - quem sabe se este ano não serei eu o necessitado...

sábado, novembro 27, 2010

sexta-feira, novembro 26, 2010

Esquizofrenia on line

Eis um exemplo de um terrível delírio místico.

A verdade liberta

Una vez que se ha abierto la puerta es difícil cerrarla. Si el Papa ha dicho que se puede utilizar el preservativo para evitar contagios, por analogía, se puede y debe aplicar esa doctrina a otros casos semejantes:
-- Siempre que sirva para vivir y amar de un modo más humano (es decir, más al servicio de la persona y de las comunicación verdadera),
-- siempre que no haga daño a los amantes (ni a otros), y no sea simple egoísmo ante la vida, -búsqueda de sexo sin amor ninguno--,
-- siempre que sea un medio para descubrir unidos el misterio de la vida, en alabanza (al menos implícita) a su creador,
-- siempre que lleve a superar una visión biologista del sexo, para entenderlo y vivirlo de un modo personal
-- se podrá utilizar el preservativo, conforme al buen juicio (humano, cristiano) de los amantes o esposos.
El Papa Benedicto XVI ha introducido una excepciòn en un principio que parecía inamovible, dentro de la moral sexual. Y ya se sabe, cuando entra una excepciòn (cuando un principio no se puede aplicar en todos los casos....), lo que debe cambiar es el principio, como sabía Santo Tomas de Aquino... y como saben los científicos (de Newton a Einstein). Ciertamente, al Magisterio le cuesta ambiar los principios, pasar de una moral biologista (de cosas) a un moral personalista (de seres libres...). Al Magisterio le cuesta ver la moral sexual desde los fundamentos de la conciencia y de la comunicación personal (el sexo es comunicaciòn personal, al servicio del amor y de la Vida), en diálogo con la cultura... al servicio de la Vida con mayúscula, no del "número" de la vida.
Pudo haberlo hecho en los tiempos de la Humanae Generis y después, en los tiempos de la Humanae Vitae... Fueron ocasiones perdidas, o quizá no estaban maduros los tiempos (ni con Pío X ni con Pablo XVI). Ahora están maduros... y es tiempo de que "esta ecepción de Benedicto XVI nos permita plantear de nuevo las cosas..., de un modo más hondo...
Hay mucho camino hecho. El camino de la gente cristiana, que se ha separado en esto, en gran medida, del Magistrio; el camino de la mayor parte de los moralistas del siglo XX, que han creado las bases de exégesis bíblica, de reflexión teólógica y de aplicaciòn pastoral para aplicar los nuevos principios. "

Rad trads em depressão

Há de tudo - choro , ranger de dentes, vestes rasgadas e apelos sedevacantistas pelas bandas dos Rad Trads à portuguesa.Graças a Deus e ao papa Bento XVI , de uma penada,  desaparecem alguns  blogs neonazis  bastante medíocres. Taditos, tudo por causa de um bocado de latex.
Excitam-se com pouco, estas pobres criaturas de fraca fé e ainda mais fraco discernimento.

Da blogosfera

Uma boa notícia nunca vem só.

quinta-feira, novembro 25, 2010

Da modernidade

"O ser cristão traz em si algo de vivo, de moderno, que atravessa, formando-a e plasmando-a, toda a minha modernidade, e que, portanto, em um certo sentido, verdadeiramente a abraça."
Bento XVI, 2010

Rad Trads Gays

Nada que a Psicologia não explique - muitos dos teólogos católicos mais conservadores (em  matéria de moral sexual) são gays. Assim como muitos Bispo e Padres que se regem pelas cartilhas mais inflexíveis, em que a sexualidade humana aparece sempre associada ao horror e ao pecado. Aliás uma das explicações para a "rigidez " agressiva da Igreja Católica EM MATÉRIA DOUTRINÁRIA é a  enorme quantidade de homossexuais que preenchem os vários níveis da sua  hierarquia. Exclusivamente masculina.
Como revela Berger, um destes teólogo,  ultraconservador:
 "Me fascinaba el mundo masculino de las antiguas liturgias tridentinas. Fueron para mí la droga de iniciación. Luego entre los teólogos conservadores siempre encontré tantos homosexuales que pensé que las dos cosas podían coexistir".
Por um estranho processo de recalcamento e autonegação, estes gays não assumidos tendem a escudar-se numa moralidade rígida e a impôr ditames de castração a todos os outros que vivem uma sexualidade plena e realizada. Nomeadamente aos casais católicos.

O Papa do preservativo (2)

Se esta indicação PASTORAL DO PRÓPRIO PAPA, é válida num contexto de prostituição, por maioria de razão (ética e doutrinária) será válida no contexto da conjugalidade católica, por exemplo, quando um dos conjuges está infectado e outro não.

Se este comportamento é admissível e até RESPONSÁVEL, quando se trata de prevenir a SIDA ( e naturalmente outras doenças sexualmente transmissíveis) num contexto de sexualidade conjugal, terá de se considerar ser igualmente admissível este comportamento quando se trata de prevenir uma gravidez que possa pôr em risco a vida e saúde da mulher.

Há muito que a questão teológica sobre a moralidade da utilização de contraceptivos foi ultrapassada, há muito que as orientações pastorais vão nesse sentido, há quatro décadas que os católicos fazem esta interpretação da Humanae Vitae ( Bispos, Padres , leigos e casais católicos).

Pelo que esta tomada de posição pública do Papa É UMA MUDANÇA com uma importância pastoral enorme, ao reconhecer e legitimar as interpretações e orientações pastorais mais sensatas e progressistas, no sentido da admissibilidade do uso de um meio contraceptivo, com a finalidade de defender vida e saúde das pessoas.
A publicação no Osservatore das "bombásticas" afirmações do Papa, precisamente no mesmo dia do Consistório Cardinalício não foi coincidência.

Bento XVI - O Papa do preservativo

Quando estão em causa questões de saúde e de defesa da vida, o uso do preservativo é admissível, apesar do ser um meio contraceptivoEsta é a principal mensagem de Bento XVI.
Ao reiterar que  se referia à sua utilização do preservativo  por uma  prostituta ( e não apenas por um prostituto), o Vaticano admite pela primeira vez  publicamente a utilização de MEIOS CONTRACEPTIVOS para impedir os riscos contra a vida e a saúde dos parceiros sexuais.

  • "'Perguntei ao papa pessoalmente se havia uma distinção séria entre o uso do masculino ao invés do feminino e ele disse 'não'', disse Lombardi.
  • 'Ou seja, a questão é que (o uso do preservativo) deveria ser o primeiro passo em direcção à responsabilidade de se tornar ciente do risco à vida de outra pessoa com quem se está a ter uma relação', disse Lombardi.
  • 'Se é um homem, uma mulher ou um transexual que faz isso, defendemos sempre o mesmo ponto, de que é o primeiro passo de responsabilidade para prevenir contra a transmissão de um grave risco ao outro.'"
 "Lombardi afirma que perguntou ao Papa se ele tinha consciência do risco que corria ao dizer o que disse. Em resposta, “o Papa sorriu”.

segunda-feira, novembro 22, 2010

A verdade liberta

 1 - As afirmações públicas  de Bento XVI sobre a admissibilidade do preservativo como prevenção da SIDA constituem, formalmente uma importante ruptura com o discurso habitual do Vaticano.
Esta ruptura foi aplaudida e sublinhada por milhões de Católicos ( Bispos, padres, laicos e comunidades católicas) em  todo o mundo, assim como organizações internacionais de combate à SIDA e pela própria ONU.

2 - Que haja algumas franjas minoritárias tradicionalistas que neguem os factos não é nada de estranhar.
Afinal, o negacionismo faz parte da matriz cultural dos Rad Trads, basta lembrar as teses negacionistas do nazi Williamsom, de quem são fervorosos admiradores.

3 - Mas quando alguns rads trads, se apressam a proclamar que as afirmações públicas do papa Bento XVI  são "um acto contrário ao ensinamento constante da Igreja", e que como tal,  "não gozaria da presunção de infalibilidade que é própria do magistério ordinário quando conforme à tradição" ( quão longe vai a estrombólica defesa do conceito da tendencial infalibilidade papal !),  então temos a certeza  definitiva de que as afirmações públicas do Papa, se bem que moderadas pela subtileza que lhe é característica, são,  ipso factus, uma REVOLUÇÂO.

domingo, novembro 21, 2010

Uma revolução oficial em curso

O que era apenas um conjunto de extractos de uma entrevista do papa tornou-se hoje oficial com as afirmações  do porta Voz oficial do Vaticano, que em comunicado de imprensa afirmou que:

a) " o papa considera uma situação excepcional na qual o exercício da sexualidade representa um verdadeiro risco à vida de outrem. "
Seria o caso da prostituição ( masculina e feminina), mas também o caso de um casal em que um dos conjuges está infectado.
b) "Neste caso, o Papa (.....)  sustenta que o uso do uso do preservativo a fim de diminuir o risco de infecção é “uma primeira hipótese de responsabilidade” (...) em vez de não usar o preservativo e expor a outra pessoa a uma ameaça à sua vida."


d)" Numerosos teólogos morais e personalidade eclesiásticas de autoridade sustentaram, e ainda sustentam, posições semelhantes."
Ou seja, o papa não está sozinho nesta tomada de posição

e) " Todavia, é verdade que, até agora, elas não foram ouvidas com tal clareza da boca de um Papa, mesmo se de forma coloquial, e não magisterial."
Mais claro que isto, não se pode ser. Quão longe está esta posição oficial do Vaticano das aberrações do Trujillo!
Sim,  no mesmo  documento em que se nega  a "revolução", ela torna-se de uma evidência cristalina.

Notas breves para mentes perturbadas

1 - Bento XVI não consome bebidas alcoólicas;
2 - O  Trujillo  não manda mais que o papa em matéria doutrinária;
3 -  Nenhum livro /entrevista papal / discurso papal sobre temas doutrinários tem um tom meramente coloquial como se fosse uma converseta de café.

Salvem os homossexuais, já as mulheres não interessam muito, dizem os puristas

Uma das explicações para o Papa ter utilizado o exemplo do prostituto (presume-se que homossexual) e não de uma prostituta (heterossexual), pode ter uma interpretação profundamente perversa.
De facto a utilização de preservativos por homossexuais não constitui um método contraceptivo, pelo que , formalmente, a aceitação da sua utilização neste caso concreto não colide com a  moral católica sobre contracepção.
A ser assim, a posição papal, aparentemente inovadora,  seria de um escândalo tenebroso. Em primeiro lugar por considerar que as mulheres prostitutas nunca se podem proteger com o uso do preservativo, visto que estariam a fazer contracepção, algo completamente interdito em qualquer circunstância. Ou seja,  as mulheres, mesmo correndo o risco de serem infectadas e morrerem, ou mesmo correndo o risco de gerarem  crianças seropositivas, condenadas à doença e morte, nunca poderão ter acesso à prevenção do preservativo, porque é um meio contraceptivo eficaz.
Haveria então um duplo padrão de moralidade, que beneficiaria os homens homossexuais em detrimento das mulheres heterossexuais.
Esta interpretação é de tal forma tenebrosa e imoral que me parece inaceitável face à ética católica mais básica.  Pelo que não pode de todo ser aceite.

Pela Vida

O volte face do  papa a favor do preservativo pode salvar vidas, afirmam organizações de combate ao SIDA.
Também o secretário geral da ONU, Ban Ki-moon , saudou a posição do papa.

Wiliamson não é católico, diz o Papa

"Benedict said in a new book, Light of the World, that Williamson was "never Catholic in the proper sense" because he converted from Anglicanism to the SSPX. "That means that he has never lived in the great Church" under papal authority, he said." In this book,  Benedict says he would not have lifted the 22-year excommunication ban on Williamson if he had known of his far-right views. The pope said the Vatican's poor communications in that row was a 'total meltdown.'

Não há dúvida - este Papa é um homem inteligente. A questão curiosa é a de saber quantos outros da SSPX não são verdadeiramente católicos - ou seja, todos os que integraram a seita dissidente sem nunca terem estado primeiro na Igreja Católica. Curiosa contabilidade.
Entretanto, alguns grupos pedem ao papa que volte a excomungar o nazi Williamson.

Un boquete en el búnker de la moral sexual católica

"Una pequeña fisura en el cemento armado puede provocar el derrumbe de una presa. Por vez primera en la historia de la Iglesia católica, el Papa Ratzinger abre un boquete, aunque de entrada sea estrecho, en el hasta ahora monolítico búnker de la moral sexual del catolicismo. Y admite (y por lo tanto, justifica) la utilización del preservativo.Pero si bien es verdad que la excepción confirma la regla, también lo es que, una vez admitida una excepción y abierta una espita, la vida tiende a presentar otros casos similares. Y el boquete se va ampliando. Como la fisura en el cemento de la presa.
Todo un bombazo el del Papa Ratzinger, que, sólo por eso y de pronto, se escapa de la categoría de Papa de transición y se catapulta a los libros de historia de la Iglesia.
Acusado hace unos meses de ser un Papa sin alma por oponerse al uso del preservativo para prevenir, entre otras cosas, la plaga y la matanza ocasionada por el Sida, Benedicto XVI tapa la boca a sus detractores. Y se alinea con la estrategia ABC (Abstinence-Be faithfull-Condom, abstinencia-fidelidad-preservativo). En ese orden y dejando claro que el preservativo sólo no es la solución. Pero, al fin y al cabo, admitiendo también el preservativo. No sólo, sino también. Porque, si la vida es el bien mayor, también lo es en el caso de poder evitar la muerte con el condón."

A cimeira exemplar

Uma cimeira sem confrontos violentos, destruição ou mortes, com uma segurança exemplar.
Portugal está de parabéns, as forças policiais também,os que se manifestaram pacificamente idem.
Compreendo a desilusão de alguns que queriam o caos e o sangue.
Mas o povo é sereno.

Nazis Lefebvrianos

Afinal o Willianson é tão descaradamente nazi que até os seus amiguinhos se sentem incomodados com as posições públicas.

Apenas por serem públicas, claro.

Bento XVI - O preservativo e a racionalidade

Em primeiro lugar o Papa reconhece publicamente que a utilização do preservativo é um  meio eficaz de prevenção do contágio. Isto, que parece algo de simples, porque claramente demonstrado pelas evidências científicas  ( já nem falo do simples bom senso), é uma pequenina revolução coperniciana, já que nos últimos anos, alguns fundamentalistas catolaicos, com a irracionalidade característica do fanatismo e da ignorância, fizeram circular a propaganda de que o preservativo não seria eficaz na prevenção do contágio.
Esta posição, tomada por exemplo por Alfonso Lopez Trujillo, e que corria o risco de ser ainda mais criminosa que a pedofilia clerical, foi agora corrigida pelo próprio Papa.

Em segundo lugar, o volte face papal demonstra que as normas católicas sobre a moral sexual e a utilização de contracepção não são fixas, nem imutáveis, nem podem ser definidas como verdades absolutas, nem resultam de qualquer infalibilidade papal.
Por isso Bento XVI contraria Paulo VI e João Paulo II neste ponto concreto. E àmanhã, este papa ou o seu sucessor, dirá em público o que biliões de  católicos vivem como norma de vida.
Se, como afirma Bento XVI,  o contraceptivo é aceitável para prevenir a doença e a morte no caso dos prostitutos, por maioria de razão  será aceitável a sua utilização num contexto de conjugalidade, quando um dos conjuges está infectado e tem o dever moral de proteger o outro , ou para prevenir gravidezes indesejadas que coloquem em risco a vida e a saúde das mulheres.
Claro que estas mudanças (ou saltos doutrinários qualitativos)  serão graduais - Bento XVI terá de avançar com cautela.
Ele ou o seu sucessor terão forçosamente de rever uma  (i)moral sem sentido,  porque é  irracional e inumana.
Aguardemos por isso,  serenamente,  as inevitáveis mudanças  no sentido da racionalidade.

sábado, novembro 20, 2010

Um testamento de leitura obrigatória:

http://www.letestamentdetibhirine.com/supplements-christianchergetibhirine2.html

Fixem esta data

Hoje terminou a Guerra Fria.
Em Lisboa.

Em verdade vos digo: Um dia, uma mulher ordenada rezará Missa neste altar

"¿Y las mujeres? En pocas palabras: las mujeres estuvieron representadas por el grupo de religiosas, vestidas de negro, que en un silencio casi automático, limpiaron, colocaron los manteles y demás utensilios en el altar recién consagrado por Benedicto XVI. Cuando contemplé tal situación comprendía por qué razón mis amigas laicas, religiosas, algunas excelentes teólogas, nos acusan de misoginia y de relegarlas a las tareas domésticas. "

Psicopatologia on line

A ler por aqui ou por aqui.

Por estas bandas também há uns sintomas interessantes.

Eppur si muove

Pela primeira vez, um Papa, Bento XVI, admite que o uso de preservativos é aceitável, "para reduzir o risco de contaminação da sida."

Depois de tantos disparates, incluindo a constante diarreia mental do Alfonso Lopez Trujillo a propósito do tema, parece que o Vaticano se aproxima lentamente da verdade e da racionalidade cristã.

Ainda bem.

terça-feira, novembro 16, 2010

As acções são mais importantes que as palavras



Cardeal Ratzinger ( actual Papa) dá a comunhão na mão ao Irmão Roger, protestante.

Um papa não católico?

Numa cerimónia pública,  o papa distribuiu a comunhão na mão à rainha de espanha,  com toda a naturalidade, como é absolutamente normal em qualquer Missa.
O facto  causou furor nos doidinhos do costume.
Há até quem diga em surdina que já não há papas católicos.
E queira impôr regras do século dezanove ao culto do século vinte e um. Sotainices.

domingo, novembro 14, 2010

A realidade é sempre mais estranha que a ficção

O retrato castanho-claro castanho-escuro - que as cores já debotaram sob o sol e a humidade - trazem á tona da terra uma guidinha muito bonita, com um olhar de veludo e um penteado à anos sessenta copiado das revistas de moda. Guidinha morreu nova - ou velha, consoante a perspectiva - fulminada por um enfarte aos 57 anos quando hesitava, com grandes dúvidas existenciais se devia ou não casar pela primeira vez com o joaquim, o amor de toda a vida.
Tinham-se apaixonado quase adolescentes - guidinha a menear o deslumbramento dos olhos de veludo, menina bem, filha única do homem rico da aldeia. Joaquim era empregado do Senhor Afonso - um homem lindo, pelo menos assim o diziam as  raparigas daquele tempo - mas era apenas isso, um pé rapado, sem eira nem beira sem nada de seu, um caça-dotes.
Antes de serem separados à força - nem olhares, nem encontros, nem cartas, que isto das modernices da  internet e dos telemóveis inda não existiam e os amantes malfadados só se tocavam em sonhos e pouco mais - Joaquim e Guidinha fizeram um pacto. Casariam apenas um com o outro, quando os pais dela morressem. E o tempo da espera começou.
Cinco anos, dez anos.
Guidinha esmoreceu na casa solarenga entre rendas de enxoval, estudos, devoções marianas , actividades na igreja, aulas no liceu mais próximo, jóias e rigores de menina prendada. Estudou em coimbra - sempre  escudada pela sombra da mãe que para lá se mudou com armas e bagagens, durante quatro anos
não fosse a filha perder a honra no meio da turbulência universitária dos fins dos anos sessenta.
Quinze, vinte anos. Guidinha regressou a casa ainda mais aquietada apesar das modernices do penteado e das minisaias com botas até ao joelho. Recusou pretendente atrás de pretendente, com uma teimosia que espantou o senhor afonso, amargurado com a falta de netos.
Vinte e cinco anos, trinta anos. De vez em quando uma carta. Ás vezes notícias de conhecidos. Um dia, um telefonema furtivo a altas horas da noite, que acordou a mãezinha e lhe deu palpitações.
Trinta e cinco, quarenta anos de espera.
No dia em que a mãe foi a enterrar (já o senhor afonso apodrecia há muito no mausoléu), Joaquim apareceu no funeral. Estava velho, calvo, o abdómen distendido de excessos estomacais. E a velhice revelava aquilo que o senhor afonso antevira - um pobre diabo, sem eira nem beira, tosco, de fala entaramelada, roupa de campónio, mãos grosseiras, que olhava para a guidinha como um cão sem dono.
Solteiro ainda, cumprira o pacto. E agora vinha reclamar a noiva, o prémio, a casa solarenga, o carro da garagem, a virgindade da guidinha, tudo incluído. Tinha sido uma longa espera e a fome do amor originara uma espécie de apetite voraz.

Guidinha não aguentou o embate - morreu de enfarte na semana seguinte antes de lhe dar a resposta.

A realidade é sempre mais estranha que a ficção

A campa da menina Guidinha refulge fulgores marmóreos depois do banho de lixívia da Clementina.
É assim uma vez por ano, em véspera de finados. Clementina chega ao cemitério carregada de esfregões, uma escova de crinas e umas boas litradas de lixívia e esmera-se a manhã inteira a dar lustro ao mausoléu da família do antigo patrão, onde jazem a guidinha, o senhor afonso, a dona maria da graça e o irmão mais novo da guidinha, o seu adorado  manel que morreu tão novo.
Quase sempre a clementina encontra flores  em cima da campa. Varre-as cuidadosamente para um saco de plástico que traz  no bolso do avental. As flores ainda estão frescas, mas são flores sem viço nem pedigree, atadas com um pequeno cordel e deixadas sempre ao lado do retrato da menina guidinha.
Só há uma pessoa no mundo capaz de deixar ali flores daquelas e clementina sabe quem é.

sexta-feira, novembro 12, 2010

Sounds of silence

Focus on the present, and quiet that voice inside - the one that offers the running commentary on what you’re doing, what you’ve done, and what you will be doing.

quinta-feira, novembro 11, 2010


Rodin

Vitrais

A beleza agridoce das árvores.
"A claridade apura-se nos ramos.

Para trás fica a transparência"
 
Fernando Echevarría, Epifanias, Assírio & Alvim, 2006, p. 185

Outros muros

Há vinte anos caiu o muro.
Foi bonita a festa, pá, mas o preço foi alto.
( Entretanto a velha alemanha estalinista fagocitou  a alemanha ocidental,  progressista e veja-se onde estamos.
O outro muro - o muro protector do estado social da velha europa do pós guerra esboroa-se lentamente).

Carlos Paião | Pó de Arroz

As pessoas vivem o fingimento instituído como uma normalidade.
É a normalidade da sobrevivência.

Da verdade

Tenho escutado por aì umas loas aos sistemas económicos"florescentes" em detrimento da nossa miserável incapacidade de desenvolvimento, que nos faz ser um país miseravelmente pobre.

Por mim, estes continuam a ser os parámetros fundamentais de desenvolvimento e de riqueza de um país
Taxa de mortalidade materna:
China - 45
Portugal - 6,2
Mortalidade infantil
China - 20,25
Portugal - 6,6

Da barbárie

Mas que notícia é esta?

segunda-feira, novembro 08, 2010

A inevitabilidade do futuro

Um dia, uma mulher ordenada irá rezar Missa no altar (ontem ungido) da catedral  da sagrada família, em barcelona.

E  espero que isso aconteça durante a minha existência.

Jesus de Nazaré, o feminista

Ser mulher judia hà dois mil anos era valer um pouco menos que um animal de carga. A função das mulheres nestas comunidades rurais era basicamente a mesma dos animais domésticos - trabalho duro, de subsistência no campo ou em casa, satisfação sexual dos machos, e obviamente, parir novas crias. O valor da fêmea humana era bastante próximo do valor das vacas - quantas crias produziam, a qualidade das crias e a quantidade de trabalho árduo que os seus corpos podiam suportar. As violações eram frequentes, tão frequentes que a salvaguarda eram os códigos de honra ligados à virgindade da fêmea, com punições como a lapidação.

Uma menina nascida na galileia, em condições de pobreza extrema, se sobrevivesse à doença, fome e aos espancamentos da infância, sabia que aos nove ou dez anos era entregue pelo pai a um homem dez, vinte ou trinta anos mais velho, que a forçaria a ter relações sexuais constantes. Sabia o que a esperava, gravidezes repetidas. Sabia que, se sobrevivesse aos horrores de partos sucessivos e abortos, poderia chegar no máximo aos trinta, quarenta anos no meio da brutalidade e pobreza.

Sabia que pouco poderia esperar do seus filhos, mal passada a frágil barreira da primeira infãncia.
Os rapazes , assim que chegasse à puberdade rapidamente lhe falariam com o desprezo devido às mulheres, as filhas, ainda meninas, seguiriam o seu trilho de escravatura animal.
 
Por tudo isto, é particularmente inquietante e basicamente revolucionário o protagonismo que Jesus dá às mulheres nos relatos do Evangelho

Desvios

Lidar coma doença mental é sempre difícil, sobretudo quando ocorre na família.

domingo, novembro 07, 2010

O futuro já começou( mas alguns ainda não perceberam)

"Nunca tivemos na ciência níveis tão avançados, em particular na biologia, e a biologia vai ser a ciência do século XXI. Já é um lugar-comum dizer isto. Atingiu níveis de maturidade e de aplicação que atingem todas as esferas da vida, da saúde ao ambiente, até à compreensão do mundo que nos rodeia e à compreensão da nossa própria natureza. O que é que somos, porque é que somos assim. É uma diferença qualitativa em relação à química e à física, que marcaram o século XIX e o século XX. Estamos a falar dos gnomas, da possibilidade de mudar geneticamente as plantas e os animais e isso é uma revolução que nos poderá permitir, por exemplo, responder a muitas das necessidades dos países em desenvolvimento, tornando a sua agricultura mais sustentável e as espécies mais resistentes.
A diferença hoje é que a biologia nos permite uma reflexão sobre o mundo e sobre nós próprios que, se calhar, não tínhamos tido antes. E sobre a partilha da vida com muitos outros milhões de espécies, algumas que estão ainda por conhecer e que vão ser fundamentais para o nosso bem-estar no futuro. Este vai ser um século marcado pela biologia e marcado por uma nova perspectiva que ela nos permite ter em relação ao planeta e a nós próprios. Sem dúvida."


Entrevista aqui

A beleza da família Tradicional

O santo padre incentivou hoje a existência de familias numerosas e os nascimento de mais crianças.
Emocionados, parece que alguns padres tomam esta indicação muito a sério, pelo menos a julgar por esta notícia.

A verdadeira família

Há cada vez mais divórcios e a tendência será para continuarem a subir, acreditam os sociólogos. Quer isto dizer que o casamento e a família estão em crise? Não. Quer dizer precisamente o contrário: "As pessoas não se divorciam por deixarem de acreditar no casamento. Dão, isso sim, um sinal de crença reforçada no casamento", defende o sociólogo da família Pedro Vasconcelos.

"Assim, segundo a ideologia actual, "valoriza-se mais a relação e não a instituição. A conjugalidade deixou de estar articulada com o casamento institucional. A formalização da relação passou a ser irrelevante. Em suma, o que é central é a relação".

Hoje, valoriza-se mais a família". Engrácia Leandro sustenta-se nos mais recentes inquéritos locais, europeus e até mundias que colocam a família, quase sempre, em primeiro lugar.

"Não é a família que está em crise", afirma a socióloga. "É o modelo tradicionalista de casamento", complementa o sociólogo da Universidade de Lisboa.

Nazis

"Quando abri a televisão num canal chamado intereconomia, estava a dar futebol. Na pausa fez-se propaganda própria. Um manifesto eleitoral nas cores suaves da Nova Propaganda. Dizia mais ou menos assim: “se achas que matar um feto é um crime, se achas que os problemas demográficos não se resolvem matando os velhos, se achas que um par de homossexuais não faz um matrimónio, etc, etc, junta-te a nós”. Nós é o tal canal, simbolizado por um touro investindo de frente, a meia pata e sem cojones"

 a natureza do mal

O esplendor modernista

Ninguém pode ficar indiferente à extraordinária beleza da catedral da sagrada família, de Gaudi, esplendor do Modernismo, uma «síntese prodigiosa de técnica e imaginação» que hoje foi finalmente inaugurada...
O projeto foi iniciado em 1882 e assumido por Gaudí em 1883, quando tinha 31 anos de idade, dedicando-lhe os seus últimos 40 anos de vida, os últimos quinze de forma exclusiva.

Um sonho modernista tornado realidade.

(O aventalinho do papa e os discursos em latim em nada apagam este fulgor do futuro transformado em pedra e luz)
Cette cérémonie, souligne le pape, ''montre un Dieu de paix, de concorde et non de discorde''. Benoît XVI a qualifié d'''évènement de grande signification'' la transformation du monument en Basilique, ''à une époque où l’homme prétend édifier sa vie en tournant le dos à Dieu, comme s’il n’avait plus rien à lui dire''.''Par son oeuvre, Gaudí nous montre que Dieu est la vraie mesure de l’homme, que le secret de la véritable originalité consiste, comme il le disait, à revenir à l’origine qui est Dieu'', a poursuivi le Saint-Père.

sexta-feira, novembro 05, 2010

O meu olhar é nítido como um girassol.


Tenho o costume de andar pelas estradas

Olhando para a direita e para a esquerda,

E de vez em quando olhando para trás...

E o que vejo a cada momento

É aquilo que nunca antes eu tinha visto,

(...) Amar é a eterna inocência,

E a única inocência não pensar...

Alberto Caeiro, em "O Guardador de Rebanhos", 8-3-1914

quarta-feira, novembro 03, 2010

Crespices

"À conta do programa, a direita tem orgasmos com o bondage a que é sujeito o Estado social. Até aqui, nada de novo".

Mar salgado

Sakineh Ashtiani

O governo iraniano executará Sakineh Ashtiani  hoje 4ª feira, dia 3 de Novembro.
Não basta a barbárie da pena de morte, ainda a repugnante tortura do apedrejamento.
O desfecho é quase inevitável, mas como podemos dormir descansados num mundo destes?