quarta-feira, junho 30, 2010

Da razão

È muito engraçado ver os que chafurdam  na própia azia com uma autosatisfação masoquista algo pungente. Carregam os seus pequeníssimos ódios de estimação como certas quarentonas arrastam os maridos odiados e indolentes para todo o lado. Não perdem uma oportunidade para os exibir, como pretexto para realçar as pretensas virtudes piedosas ou intelectualóides, como preferirem.
Os maridos e os ódios lá andam , sempre em procissão, arrastados com afinco.

Derrida adoraria  desconstruir os textos bloguisticos de tanta mulher mal amada que por aí pulula.

Os velhos monstros

Aqui.

Incredible Human Machine (1/9)

Derrota

De espanha nem bom vento nem bom casamento.
E o condestável só faz milagres com azeite.

segunda-feira, junho 28, 2010

Combater o medo.

Não podemos ficar adormecidos

Hipócritas

Uma jovem mulher de 27 anos com quatro filhos grávida de 11 semanas foi admitida no hospital St. Joseph de Phoenix. Sofria de uma grave doença que obrigou a equipa médica a fazer uma escolha urgente entre a vida da mulher e do embrião. Um situação em que o aborto terapêutico é a solução para salvar a vida de uma mulher. Por opção da doente a família, a equipa terapêutica cumpriu a sua obrigação - salvar avida da mulher que lhe estava confiada. A última palavra coube à Administração Hospitalar, presidida por uma freira católica, Margaret McBride.
Entre deixar morrer o embrião e a mulher e salvar a vida da mulher, não há sequer hesitações bioéticas.
Talvez por isso mesmo, a irmã Margaret McBride  foi excomungada.
Mas não tenho dúvidas de que agiu mais cristamente do que quem a excomungou. E salvou uma vida.

Combater o medo

O rumores de angeles fala desassombradamente do clima de medo e terror que se vive na Igreja espanhola:

"Los tienen enfilados. Se sienten vigilados y, sobre todo, poco apreciados y escasamente queridos. Los religiosos y las religiosas españoles (sobre todo los frailes)viven con miedo permanente. Como agarrotados. Esperando a que escampe. Temen sobre todo a los "inquisidores" que se dedican a denunciar sus dichos y hechos, hábitos y corbatas. Y, sobre todo, temen y se duelen de los obispos que hacen caso de esas denuncias, a menudo anónimas, que las dan por buenas y que, a las primeras de cambio, descuelgan el teléfono y advierten al provincial de turno. Llamadas cada vez más habituales y conminativas"..

Poder-se-ia pensar ingenuamente que este terror vem de alguma instância externa, quiçá do Estado laico ou de alguma associação ateísta. Nada disso. O terror vem de dentro, da extrema-direita católica, infiltrada na própria hierarquia eclesial a pretexto de um catolicismo serôdio e violento:

"Que los que más les atacan, si no van al cien por cien en su carro a misa, es la ultraderecha eclesiástica. Ellos son los que les crean los problemas y los que más furibundamente señalan a los obispos."
E é este movimento de terror neofascista que subrepticiamente perpassa nos ditos blogues tradicionalistas catolaicos portugueses.

Viva o Gordo (1982) - Capitão Gay



Capitão gay - um verdadeiro herói, sempre em defesa dos mais gays tradicionais .
Aliás da forma como comentam o casamento gay, alguns deles parecem ter uma certa inveja.
Quem sabe se estes beatos gays ainda arranjam noivo nestas redes virtuais? Hum...

O limbo não existe

Num documento  oficial do Vaticano  pela Comissão Teológica Internacional, que depende da Congregação para a Doutrina da Fé, afirma-se peremptoriamente que existem "sérias razões teológicas para crer que as crianças não baptizadas que morrem se salvarão e desfrutarão da visão de Deus".

A publicação do documento foi pessoalmente autorizada pelo Papa Bento XVI. Aliás o limbo nunca foi considerado um dogma da Igreja e não é sequer mencionado no Catecismo.
O próprio Ratzinger esteve directamente envolvido nesta comissão, ainda antes de ser nomeado papa e foi ele mesmo quem afirmou taxativamente que o limbo não passa de um hipótese teológica.

Algumas ideias-chave:
O limbo é apenas uma teoria historicamente situada (surgiu apenas na Idade Média) não constitui definição dogmática nem tem fundamento teológico explícito na revelação:
1) "Esta teoría, elaborada por los teólogos a partir de la Edad Media, nunca ha entrado en las definiciones dogmáticas del Magisterio, aunque el mismo Magisterio la ha mencionado en su enseñanza hasta el concilio Vaticano II."
2) "La teoría del limbo, a la que ha recurrido la Iglesia durante muchos siglos para hablar de la suerte de los niños que mueren sin Bautismo, no encuentra ningún fundamento explícito en la revelación. "
"En segundo lugar, teniendo presente el principio lex orandi, lex credendi, la comunidad cristiana tiene en cuenta que no hay ninguna mención del limbo en la liturgia"
3) "En tercer lugar, la Iglesia no puede dejar de estimular la esperanza de la salvación para los niños muertos sin Bautismo por el hecho que ella «ruega para que nadie se pierda»[6], y ruega en la esperanza de que «todos los hombres se salven"
4) "La bula Auctorem fidei del Papa Pío VI no es una definición dogmática de la existencia del limbo: se limita a rechazar la acusación jansenista según la cual el «limbo» enseñado por los teólogos escolásticos era idéntico a la «vida eterna» prometida por los antiguos pelagianos a los niños no bautizados."

domingo, junho 27, 2010

vampirismo

"A maternidade, que é um consolo, uma satisfação, tem corpo de sanguessuga, é um bicho hematófago que se alimenta de nós, chupa-nos o sangue e o resto. Ao fim do dia, quando adormece, a maternidade deixa apenas uma carcaça cansada"

Da anna.

O ecoar do tempo

"Desde os primórdios da reflexão viva, os homens estranham o incessante escoar do tempo, e o interrogam. Não tão só na dor insana dos amores lapidados, ou na própria morte em pânico entrevista, mas sempre e em toda a parte, na densa tessitura do vivido: funda é a fugacidade de todo o instante, e toda a memória apenas cinza à espreita do vazio."


Vítor Mácula

sábado, junho 26, 2010

A Caridade liberta

"Eu acho que o drama de cada pessoa deve ser entendido. Nós julgamos e jogamos com generalidades. Eu despertei para este problema já há muitos, muitos anos, quando conheci um casal que já não era jovem e que me confessou, amargurado, que o filho era homossexual. E eles sofriam e diziam: "Não discriminamos o nosso filho, achamos que não é um crime." Nós podemos não aceitar nem entender que os nossos filhos sejam homossexuais, mas temos de os amar, não os podemos afugentar. E a Igreja só pode ter uma atitude: acolher, ouvir, tentar entender. Eu às vezes pergunto a colegas: "Você já alguma vez falou com um homossexual?" É que eu já e sabe o que é que vi? Uma pessoa que sofria loucamente, porque não era entendida, porque tinha uma orientação sexual que não é aceite socialmente. Alguém que se sentia só, escorraçado. Alguém que se escondia.
"Com certeza que um casal homossexual não é um teórico, não é? E os afectos traduzem-se por essa prática, por essa fusão psíquico-afectiva da unidade misteriosa que é o ser humano."

Bispo de Setúbal, numa entrevista lúcida, aqui
( Claro que há sempre alguns  estrebuchos histéricos dos rad trads a esta entrevista, mas são meia dúzia de fundamentalistas com azia, uns tristes sem grande importância prática ).

A verdade liberta

"O Planeamento familiar, por exemplo(...) . Há uma grande comunhão e amor à Igreja e estou convicto, pela minha experiência pastoral, que aquilo que defendo será muito em breve uma realidade. Eu não aceito o dogmatismo dos métodos naturais. "

Januário Torgal Ferreira

Vencer a Espanha na terça-feira

Isso sim é que seria um verdadeiro milagre.

Gays Trads

Há pessoas que vivem numa espécie de limbo existencial, aterrados com os castigos divinos e incapazes de amar.
Não admira que inventem um limbo depois da morte.

País - D. Januário Torgal Ferreira "concorda e aceita que um homem viva com outro homem" - RTP Noticias, Vídeo

País - D. Januário Torgal Ferreira "concorda e aceita que um homem viva com outro homem" - RTP Noticias, Vídeo

Sim, ainda há grandes Bispos.

sexta-feira, junho 25, 2010

Anjos

Encomendaram um anjo  para mim.
Um dia destes vou buscá-lo à livraria onde me aguardada sem pressas, encavalitado na prateleira dos autores portugueses, as asas a roçar a lombada dos saramagos. 
Os anjos devem ser folheados com especial cuidado e lidos sem a menor desatenção.
A terminação dos anjos não é coisa pequena.

A mulher

No rosto gasto , o mesmo olhar de outrora.
Sem qualquer doçura ou encantamento, uma espécie de olhar de pedra. Ou de mágoa.
Mas mesmo asim o rosto exibe-se em exasperações fotográficas, com résteas de garridice.
Olho a imagem uma e outra vez. O pequeno declinio para a morte.( - Está velha, pronto).

Sem paciência

para politiquices e politiqueiros; para paneleiros não assumidos que rezam muito; para hipotensões; para guinchos adolescentes; para economistas de cordel; para incendiários contra a educação sexual nas escolas e sobretudo para as lamúrias da manuele moura guedes.
antes as vuzuelas.

Lady Gaga

Adoro.Uma performer barroca brilhante.

Lady Gaga - Alejandro

Lady Gaga - Speechless (Live at the VEVO Launch Event)

Lady Gaga - Bad Romance

quinta-feira, junho 24, 2010

luz

De José Rodrigues Miguéis, isto:




Não sei se já repararam que as pessoas que caminham no mesmo sentido quase nunca se encontram.


( roubado ao daniel)

Gays Trads

Num pungente (e um pouco infantil ) comunicado online um jovem assume publicamente a sua homossexualidade.
Nada de que não houvesse já fundada suspeita. De facto, os blogues ditos católicos tradicionalistas são bastante homoeróticos na escolha de ícones religiosos,   fantasias medievas e fulgores litúrgicos mais ou menos efusivos, com muito rosa fúcsia e rendinhas à mistura.
Mas o  mais interessante neste homossexual saído do armário é o seu permamente e público discurso homofóbico. Nada de surpreendente para qualquer aprendiz de psicanálise mas um pouco chocante para os beatos desprevenidos.
A questão de fundo é esta - um jovem homossexual que se assume e vive a sua sexualidade com sentido amoroso, dentro de uma ética católica,  é mais ou menos íntegro do que um homossexual recalcado e em negação, que se autocastra na vivência da sexualidade? Sobretudo se essa autoviolência se exprime em sentimentos de perturbação e amargura?

Pulsação

Nas ruas de Lisboa, as flores de jacarandá.

terça-feira, junho 22, 2010

"Os jovens LGB têm mais ideação suicida se estão “dentro do armário”, se tiveram experiências de discriminação, se se sentem mais infelizes e se têm maiores níveis de homofobia internalizada."
Um estudo interessante.

Os frustrados

Eu sempre tive a certeza que muito do fundamentalismo católico e os excessos de moralismo bacoco ( que nada tem a ver com Deus ou com a espiritualidade cristâ) resultam de frustrações sexuais mais ou menos recalcadas. Pobres almas.

7-0

O homem da bomba da gasolina sorriu-me amavelmente.
Nos últimos anos, das incontáveis vezes que o encontrei na bomba de gasolina, não me lembro uma única vez da sombra de um sorriso, apenas um ar crispado num rosto moreno e algo indolente, os gestos bruscos do corpo, um vago passado de ex- toxicodependente, que essas coisas deixam marcas nos braços e no olhar.
Ontem o homem sorria sonhadoramente enquanto enchia depósitos, com um vago ar de poeta. Fiquei a pensar uns segundos o que significava o latejar do sorriso até que um vislumbre me ocorreu - ESPERANÇA.

A propósito do saramago

A ignorância literária tem destas coisas. Muito boa gente que pouco ou nada lê,anda por aí armada em fulgores incendiários mais ou menos inquisitoriais a propósito dos escritos de saramago.
Parafrasenado o insuspeitável Pedro Picoito, aconselho-os vivamente, a não lerem A Relíquia do Eça, o Eurico de Herculano, a Velhice do Padre Eterno do Guerra Junqueiro, mais ou menos todo o Gil Vicente, as cantigas de escárnio e maldizer, Alberto Caeiro, algum Jorge de Sena, e mais umas coisas que não me estejam agora a lembrar e de certeza que falta muita coisa, sob pena de terem  uma apoplexia.
Isto só para fa lar de alguns autores da Lìngua Portuguesa.
Não é à toa que todas as inquisições de todos os tempos começaram primeiro a queimar livros antes de pessoas

domingo, junho 20, 2010

sexta-feira, junho 18, 2010

Minudências

Eu não sei quem é raio o Jorge Costa ( e não, não  deve ser o  senhor Jorge Nuno Pinto da Costa) mas aposto que raríssimos portugueses saberão o nome de tal personagem obscura.
Mas Saramago, todos conhecem, mesmo os portugueses analfabetos, aqueles que nunca saborearam um livro. É por isso que Saramago é uma figura relevante da cultura nacional e não um humilíssimo blogger que escreve mal.
Dito de outra forma,  a morte do senhor Jorge Costa em nada enlutará a língua ou a cultura portuguesas.

É que  quando morre um escritor português, e dos grandes, sim, estamos todos de luto.

A verdadeira Naria

"Sobre os dotes de Maria, por enquanto, só procurando muito, e mesmo assim não acharíamos mais do que é
legítimo esperar de quem não fez sequer dezasseis anos e, embora mulher casada, não passa duma rapariguinha frágil, por assim dizer dez-réis de gente, que também naquele tempo, sendo outros os dinheiros, não faltavam destas moedas. Apesar da fraca figura, Maria trabalha como as mais mulheres, cardando, fiando e tecendo as roupas da casa, cozendo todos os santos dias o pão da família no forno doméstico, descendo à fonte para acarretar a água, depois encosta acima, pelos íngremes carreiros, um gordo cântaro à cabeça, uma infusa apoiada no quadril, e indo depois, ao cair da tarde, por esses caminhos
e descampados do Senhor, a apanhar gravetos de lenha e a rapar restolhos, levando por acrescento um cesto com que recolherá as bostas secas do gado, e também esses cardos e espinhosas que abundam nas declivosas alturas de Nazaré, do melhor que Deus foi capaz de inventar para acender um lume e entrançar uma coroa.
Todo este arsenal reunido daria uma carga mais própria para ser trazida a casa no lombo do burro, não fosse a poderosa circunstância de estar a besta adstrita ao serviço de José e ao transporte das madeiras. Descalça vai Maria à fonte, descalça vai ao campo, com os seus vestidos pobres que no trabalho mais se sujam e gastam, e que é preciso estar sempre a lavar e remendar, para o marido vão os panos novos e os cuidados maiores, mulheres destas com qualquer coisa se contentam. Maria vai à sinagoga, entra pela porta lateral, que a lei impõe às mulheres, e se, é um supor, lá se encontram ela e trinta companheiras, ou mesmo todas as fêmeas de Nazaré, ou toda a população feminina de Galileia, ainda assim terão de esperar que cheguem ao menos dez homens para que o serviço do culto, em que só como passivas assistentes participarão, possa ser celebrado. Ao contrário de José, seu marido, Maria não é piedosa nem justa, porém não é sua a culpa dessas mazelas morais, a culpa é da língua que fala, senão dos homens que a inventaram,
pois nela as palavras justo e piedoso, simplesmente, não têm feminino."

Saramago


Saramago

José Saramago é um dos grandes escritores mundiais contemporâneos. "O ano da morte de Ricardo Reis"  , e "Memorial do convento"  fazem parte dos livros da minha vida, daqueles  instantes que marcam qualquer coisa. Já o Evangelho segundo Jesus Cristo é um livro comovente que só um crente pode ter escrito. 

Shoah (שואה)

Explicação básica.

Ela tem um olhar loiro e gesticula vivamente ao tentar explicar-me o essencial.
 A cruz de david  que traz pendurada no colo oscila ao mesmo ritmo das mãos.
 - Israel é a terra prometida. É  o único lugar do mundo onde temos a certeza de que a Shoah não vai voltar a acontecer. Por isso temos de a defender a todo o custo.

quinta-feira, junho 17, 2010

Um país que não existe.

Basta meter os pés a caminho e  ir até ao camboja, por exemplo , para tropeçar no inevitável - a visibilidade global de portugal é nula. Somos um país basicamente inexistente, ninguêm sabe as nossas fronteiras  a nossa cultura tem um impacto completamente irrisório, ninguém conhece os nossos cientistas. Somos tão poucos, tão ínfimos e tão inconsequentes que as nossas guerrihas de politiquice suburbana chegam a ser pueris no contexto global.
E s ealguém do outro lado do mundo conhece o nosso nome é por causa de um puto madeirense que conquistou o globo. É isto o futebol.

sexta-feira, junho 11, 2010

Duas mães é melhor que uma

"The authors found that children raised by lesbian mothers — whether the mother was partnered or single — scored very similarly to children raised by heterosexual parents on measures of development and social behavior. These findings were expected, the authors said; however, they were surprised to discover that children in lesbian homes scored higher than kids in straight families on some psychological measures of self-esteem and confidence, did better academically and were less likely to have behavioral problems, such as rule-breaking and aggression. "



Qual crise?

Mohamed garante-me que a falta de dinheiro nunca é problema. O dinheiro hoje não há, àmanhã vem.
Agora, levantarmo-nos de manhã  ( apalpa os próprios braços e pernas numa simulação de integridade) comermos pão, estarmos vivos ou não, isso sim é que pode ser problema.

Mouraria

Gosto dos moiros. Chegam da algèria, de marrocos, do irão. Sorriem muito. Servem-me um chá de menta. Doce.

Picoitices

"Uma educação sexual  teoria da evolução neutra, sem valores morais, autolimitada à anatomia do aparelho reprodutor e à prevenção de comportamentos de risco, é como aprender a conduzir desmontando o motor de um carro: ficamos a saber como funciona, mas não para que serve.

Impossível ou inútil. Sobretudo fora do contexto que, para qualquer criança e adolescente, lhe dá pleno sentido: a família.


Eis o que verdadeiramente está em causa. O Governo prepara-se, sob o manto diáfano do “saúde reprodutiva”, conhecimento, para impor um modelo único e obrigatório de educação sexual  Teoria da Evolução que não respeita a liberdade dos pais.
 Uma escola que não ensina gramática e aritmética dificilmente ensinará que 1+1, quando se conjugam os géneros, é mais do que 2. Mas não tenho ilusões de que esta lei dará aos engenheiros das almas da 5 de Outubro o poder de transmitir valores contrários aos de muitas famílias em questões de consciência. Uma ameaça à liberdade de educação que nos deveria preocupar a todos. "

quinta-feira, junho 10, 2010

Velhos tiques

«O Prof. Doutor Aníbal Cavaco Silva recebe duas pensões de reforma", esclarece-se num comunicado da PR. Mas o gajo não recebe também um vencimento? Se já está duplamente reformado, tem sentido ocupar um cargo público?
 A não ser que o título académico de Prof. Doutor seja uma espécie de beatífica justificação a remeter para um certo ideário qualificativo de serviçal à nação sem limites de gerontológica sapiência como em tempos antigos que também hoje se celebram.
Se é esta a explicação escatológica, espero poder acumular reformas várias e salários muitos até ser uma octogenária clarividente sem perder o título de Profa. Doutora.